MPLA. Militantes juntam-se em Luanda para 'confirmar' João Lourenço e o fim de uma "era"

O VI Congresso Extraordinário do partido vai pôr fim a 39 anos de liderança de José Eduardo dos Santos

O MPLA realiza sábado, em Luanda, o VI Congresso Extraordinário do partido, tendo como único ponto em agenda a eleição do novo líder e João Lourenço, atual Presidente da República, como único candidato.

Ainda sem programa divulgado, o conclave do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) vai pôr fim a 39 anos de liderança de José Eduardo dos Santos, a única função política que exerce atualmente, depois de, em agosto de 2017, não se ter apresentado como recandidato nas eleições gerais de então.

Embora sem informações oficiais, são de esperar deste conclave mudanças nos órgãos do partido, como o Bureau Político, o Secretariado e o Comité Central, cuja composição, na sua essência, transitou do último congresso ordinário, realizado em 2016, sob proposta de José Eduardo dos Santos.

A bicefalia nas estruturas de poder em Angola - João Lourenço é o Presidente angolano e vice-presidente do MPLA e José Eduardo dos Santos é ainda o atual líder do partido - vai, assim, terminar, desconhecendo-se até que ponto irá o futuro líder partidário mudar o "núcleo duro".

Isso mesmo foi referido pelo académico angolano Fernando Manuel, adiantando que João Lourenço terá "grandes desafios" a partir do momento em que assumir a liderança do MPLA.

Um deles é "dissipar a ideia da existência de fraturas" no próprio partido, tendo em conta o que João Lourenço tem feito na área da governação, afastando-se das ideias e da teia em redor de José Eduardo dos Santos, sem que isso possa afetar a unidade do MPLA e, sobretudo, o "núcleo duro" que se mantém ligado ao ainda líder e ex-Presidente de Angola.

A "transição" do "arquiteto da paz", como se refere o MPLA a Eduardo dos Santos, que tem sido alvo de inúmeras homenagens um pouco por todo o país, para João Lourenço tem sido alvo de algumas tensões internas no partido, que, tal como referiu o académico Fernando Manuel, têm agudizado "as insinuações da existência de clivagens no seio do MPLA".

O congresso terá como ponto único da agenda de trabalhos a conclusão do "processo de transição política na presidência" do partido

Para esta quinta-feira, o MPLA tem agendada uma conferência de imprensa para dar conta do andamento do congresso, em que aguarda que sejam divulgados mais pormenores sobre o conclave.

A 7 de julho, o secretário-geral do MPLA, Paulo Kassoma, anunciou, no lançamento público deste congresso, que o encontro terá como ponto único da agenda de trabalhos a conclusão do "processo de transição política na presidência" do partido e que deverá contar com 2.591 delegados.

O congresso decorrerá sob o lema "MPLA -- Com a Força do Passado e do Presente, construamos um futuro Melhor"

"Decorrerá num ambiente de ampla participação democrática e espírito de harmonia, com base dos princípios e valores do MPLA, contribuindo desse modo, para o contínuo fortalecimento da unidade e coesão no seio do partido", enfatizou Paulo Kassoma.

O congresso decorrerá sob o lema "MPLA -- Com a Força do Passado e do Presente, construamos um futuro Melhor".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)