Morreu o 'jihadista' francês que reivindicou os atentados de 2015 em Paris

O jihadista francês Fabien Clain, que ficou conhecido por ter reivindicado os atentados de 2015 no Bataclan, em Paris, em nome do autoproclamado Estado Islâmico, morreu esta quarta-feira na Síria.

De acordo com a rádio pública France Inter, Fabien Clain morreu num bombardeamento em Baguz, um dos últimos bastiões do Estado Islâmico na Síria, e o irmão dele Jean-Michel Clain ficou ferido com gravidade.

A França tinha emitido um mandado internacional de busca e captura contra os dois irmãos, tendo estes sido detetados na região este da Síria.

Fabien Clain assumiu, em nome do Estado Islâmico, a autoria dos atentados ocorridos em 13 de novembro de 2015 em Paris e nos quais morreram 130 pessoas.

Os irmãos Jean-Michel e Fabien Clain, de nacionalidade francesa, tinham os mais altos cargos da organização jihadista. AA informação foi confirmada também pelo jornal Le Monde, no entanto nem todas as fontes revelaram igual certeza quanto à morte de Fabien, salientando que aconfirmação está em curso.

No início da noite desta quinta-feira, o ministro das forças armadas francesas, Florence Parly, publicou no Twitrer.

"No decorrer de operações de reconquista do bastião do Daesh, é possível com efeito que Fabien Clain esteja morto. Se é o caso, os franceses que se lembram dos seus apelos à morte e do seu papel no pseudo-Estado islâmico, certamente que estarão aliviados. Continuamos vigilantes, esta informação não está confirmada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.