Menino de 13 anos descobre tesouro viking

Depois da descoberta da criança, especialistas encontraram moedas e joias com mais de mil anos numa ilha do Mar Báltico. O tesouro remonta à época do rei de origem viking que levou o cristianismo à Dinamarca, Harald

Luca Malaschnichenko, de 13 anos, já pode contar ter o seu nome para sempre associado à arqueologia.

Em janeiro, o jovem, acompanhado por René Schön, voluntário de um programa local de arqueologia, e por um detetor de metais, fez uma descoberta incrível.

Na localidade agricola de Rügen, uma ilha do norte da Alemanha, banhada pelo Mar Báltico, o aparelho detetou qualquer coisa. Os jovens conseguiram extrair fragmentos de moedas da terra e imediatamente perceberam que tinham encontrado algo.

Imediatamente avisaram as autoridades, que tiveram de esperar até ao fim de semana passado para procederem às escavações necessárias para voltar a trazer à luz do dia um tesouro viking de mais de mil anos, da época do célebre rei dinamarquês Haroldo 1° da Dinamarca.

A descoberta incluí moedas de prata, pérolas, colares, alfinetes de peito e até mesmo um martelo de Thor, do final do século X.

Detlef Jantzen, o arqueólogo chefe do Escritório Regional de Arqueologia e Conservação de Monumentos do estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, o qual levou a cabo os trabalhos, disse ao jonal espanhol El País que este "é um tesouro excepcional. Esta é a primeira vez que encontramos um achado dest grandeza e qualidade a sul do Báltico".

As peças do século XX terão sido enterradas entre 980 e 990.

O rei Harald morreu em 986 no norte da Europa, deixando para trás um tesouro enterrado e um legado muito particular que chegou aos nossos dias em forma de homenagem: a tecnologia bluetooth.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."