Melania acredita ser "a pessoa que mais sofre de bullying no mundo"

Mulher de Donald Trump é o rosto da campanha Be Best, que pretende consciencializar jovens e adultos para o cyberbullying. E afirma ter experiência propria sobre o assunto

"Posso dizer que sou a pessoa que mais sofre de bullying no mundo" atualmente. Ou, pelo menos, "uma das que mais sofre". Foi assim a resposta de Melania Trump, primeira-dama dos Estados Unidos, quando questionada por um jornalista da ABC News sobre qual experiência pessoal a levou a criar a campanha contra o cyberbullying Be Best. A entrevista foi divulgada esta terça-feira no programa Good Morning America.

A iniciativa Be Best foi oficialmente lançada em maio deste ano. Com esta campanha, Melania pretende tornar os adultos mais conscientes e ativos na educação dos filhos, para que estes se tornem bons cidadãos, principalmente quando atuam online. Na entrevista, a mulher do presidente Trump alertou para a necessidade de "educar as crianças para o comportamento emocional social, para que quando crescerem saibam lidar com os seus problemas".

Contudo, é o próprio presidente quem tem sido criticado pela sua abordagem crítica e impulsiva nas redes sociais e discursos políticos, insultando pessoas pelo seu aspeto físico e inteligência.

Na mesma entrevista, Melania Trump falou ainda de problemas de confiança dentro da Casa Branca. A primeira-dama disse ter na atual administração pessoas em quem confia. Sem mencionar nomes, garante que algumas dessas pessoas "já não trabalham" com o presidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?