Médico acusado de envenenar doentes para os tentar salvar

O procurador responsável pelo caso acredita que Frédéric Péchier colocava veneno nas anestesias de colegas para poder intervir depois da emergência. O médico pode ser acusado da morte de nove pessoas

O anestesista francês Frédéric Péchier, 47 anos, está a ser investigado pelo envenenamento de 17 pacientes e arrisca-se a passar o resto da sua vida na prisão caso seja considerado culpado. Esta não é a primeira vez que o médico é alvo de um processo criminal. Segundo a BBC, Péchier já tinha sido interrogado sobre sete envenenamentos.

O procurador Etienne Manteaux considera que o especialista adulterou o conteúdo de anestesias que iriam ser usadas por outros colegas. Isto para alegadamente salvar os doentes depois da emergência. De acordo com o procurador, o médico é o "dominador comum" em todos os casos analisados e tinha uma relação conflituosa com os colegas. No total, morreram nove pessoas entre os quatro e os oitenta anos. Frédéric Péchier nega estas acusações.

"Há uma possibilidade de o Dr. Péchier ter cometido estes envenenamentos, mas não passa de uma hipótese", afirmou à agência AFP o advogado do anestesista Jean-Yves Le Borgne. "A presunção da inocência deve ser salvaguardada".

Em maio de 2017, foi iniciada a primeira investigação ao médico, na altura suspeito de sete envenenamentos. Frédéric Péchier acabou por ser ilibado da acusação, mas ficou proibido de exercer medicina. Esta semana as acusações relacionadas com novos casos (17) fizeram com que a polícia retomasse a investigação e tenha voltado a interrogar o anestesista.

Ler mais