McDonald's pede desculpa à China por dizer que Taiwan é país

Num anúncio publicitário, exibido em Taiwan pela primeira vez a 6 de janeiro, um clipe de dois segundos mostra um cartão de identificação de um estudante, no qual Taiwan é identificado como um país.

A cadeia de hambúrgueres norte-americana McDonald's pediu esta quarta-feira desculpa pelo seu mais recente anúncio publicitário, criticado por internautas chineses por retratar Taiwan como um país, em mais uma disputa com uma multinacional devido ao estatuto da ilha.

Num anúncio publicitário, exibido em Taiwan pela primeira vez a 6 de janeiro, um clipe de dois segundos mostra um cartão de identificação de um estudante, no qual Taiwan é identificado como um país.

A imagem foi prontamente denunciada nas redes sociais chinesas, suscitando críticas pelos internautas.

"A nacionalidade deveria ser China! O que é Taiwan? Uma província. Por favor, ponham-se no vosso lugar", lê-se num comentário no WeChat, o Whatsapp chinês.

"O McDonald's difundiu isto claramente para 1,3 mil milhões de chineses verem. Qual é o significado? Apoiar a independência de Taiwan?", questionou outro internauta.

Empresa pediu desculpa e anúncio foi retirado

Esta semana, a empresa divulgou um pedido de desculpas no Weibo, o Twitter chinês, afirmando que o anúncio foi feito por uma agência taiwanesa e que foi já retirado.

"A agência de publicidade não fez verificações rigorosas sobre as cenas e isso causou um mal-entendido, que lamentamos profundamente", lê-se.

"Sempre apoiaremos a política de 'Uma só China', e continuaremos a defender a soberania territorial do país", acrescentou a multinacional norte-americana.

O princípio 'Uma só China' é visto por Pequim como garantia de que Taiwan é parte do seu território, apesar de cada lado fazer a sua própria interpretação desse princípio.

Pequim considera Taiwan uma província chinesa e defende a "reunificação pacífica", mas ameaça "usar a força" caso a ilha declare independência.

Já Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo governo chinês depois de o Partido Comunista (PCC) tomar o poder no continente, em 1949, assume-se como República da China.

Pequim e Taipé concordam, no entanto, que existe uma só China.

No ano passado, dezenas de companhias áreas passaram a referir-se a Taiwan como parte da República Popular da China, cumprindo com as exigências de Pequim. British Airways, Lufthansa e Air Canada foram algumas das companhias que passaram a referir-se a Taiwan como parte da China.

Zara alvo de críticas

A adoção de "Taiwan, China" ou "Taiwan, República Popular da China" nos portais eletrónicos e mapas das companhias aéreas representa outra vitória nos esforços do Partido Comunista Chinês em forçar empresas estrangeiras a aderir à sua visão geopolítica, mesmo em operações fora do país.

Também a japonesa Muji ou a espanhola Zara foram alvo de críticas de Pequim por identificaram Taiwan como país nas suas etiquetas ou portais eletrónicos.

Ler mais

Exclusivos