Macron para jovem sem emprego: "Atravesso a rua e arranjo-te já um"

Jovem horticultor desempregado queixou-se que não conseguia arranjar emprego ao presidente de França durante uma visita ao palácio do Eliseu, em Paris, por ocasião das Jornadas do Património

Emmanuel Macron é conhecido por gostar de interagir com jovens no âmbito ou à margem de eventos oficiais. Mas também é sabido que, algumas vezes, o resultado dessas interações não foi o melhor e apenas serviu para motivar críticas ao presidente.

É o que está a acontecer este domingo, depois de ter sido divulgado, na internet e nos media franceses, um vídeo em que o chefe do Estado francês diz a um jovem horticultor desempregado que, para arranjar emprego, basta atravessar a rua.

"Tenho 25 anos, farto-me de enviar currículos e cartas de motivação, mas não me serve de nada. Envio para todos os lados, autarquias, mas ninguém liga", disse o jovem ao chefe do Estado, nos jardins do Palácio do Eliseu em Paris. A conversa foi registado no sábado no âmbito das Jornadas do Património.

"Queres trabalhar em que setor?", perguntou ao jovem Emmanuel Macron, ao que este respondeu "sou horticultor". É então que o presidente lhe recomenda então que pense em mudar de setor e em reorientar a sua busca. "Se estás pronto e motivado, na hotelaria, nos cafés, na restauração, na construção, não há lugar onde vá que não me digam que precisam de gente. Um único! Hotéis, restaurantes, atravesso a rua, arranjo-te já um".

Insistindo, o jovem garantiu: "eu não tenho qualquer problema com isso, mas mando o CV, nunca me chamam". Insistindo, o presidente assegurou: "Vais por uma rua, vais a Montparnasse, vais a todos os cafés e restaurantes... Francamente, estou seguro que um em cada dois estão a recrutar agora. Vai lá!"

As críticas, face à atitude do presidente, não se fizeram esperar. "Hotéis, cafés, restaurantes... Eu atravesso a rua e arranjo-te [trabalho]". Nova saída desdenhosa de Emmanuel Macron para um desempregado. A título informativo o homem é horticultor. Então a solução é: mudar de setor? Este desprezo pelas classes trabalhadoras é insuportável", escreveu no Twitter um porta-voz do Partido Comunista francês, Thomas Portes.

"Atravesso a rua e arranjo-te já um emprego", diz Macron. É culpa dos desempregados não conseguirem arranjar um emprego? Absurdo... A impotência do governo face ao desemprego transforma-se em desprezo em relação aos desempregados...", escreveu, igualmente no Twitter, Alexis Corbière, deputado e porta-voz do movimento França Insubmissa, liderado por Jean-Luc Mélenchon.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."