Jacinda Ardern: "Muito pouco do que fiz foi planeado. Foi intuitivo."

Primeira-ministra da Nova Zelândia explica que a sua reação ao ataque terrorista de Christchurch não seguiu qualquer estratégia política: "Temos que fazer o que sentimos que é correto."

Na manhã de 15 de março, uma sexta-feira, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, estava numa carrinha com o presidente da câmara de New Plymouth, uma pequena cidade na costa norte da ilha. Quando soube do ataque terrorista que matou 50 pessoas em Christchurch, Ardern teve pouco tempo para preparar a sua comunicação ao país. Pegou numa folha que tinha o programa do evento em que tinha participado na noite anterior e nas costas dessa folha anotou algumas ideias: "Uma pessoa em prisão preventiva, mas pode ser outro o atacante", "ato de extraordinária violência, não tem lugar na NZ." "Eles são nós."

"Sabia exatamente aquilo que queria dizer", explicou agora, numa entrevista ao jornal britânico The Guardian , dez dias depois do ataque. "Quando soube que uma mesquita tinha sido atacada foi imediatamente claro para mim o que queria dizer sobre isso. Mas, não, não pensei em palavras específicas. Pensei apenas em sentimentos e naquilo que queria transmitir às pessoas."

Poucas horas depois do acontecimento, Ardern não teve dúvidas em classificá-lo como um ato de terrorismo e recusou-se a referir o nome do atacante. No dia seguinte, a primeira-ministra voou para Christchurch, onde se encontrou com elementos da comunidade muçulmana e levou um lenço na cabeça, que tinha pedido a uma amiga: "Se estivesse em casa, teria sido diferente, eu teria lenços. Mas como não estava, tive que pedir emprestado um lenço, porque para mim é um sinal de respeito. É o que se faz, naturalmente. Não pensei muito nisso", revela agora.

"Muito pouco do que fiz foi planeado. Foi intuitivo. Penso que é essa a natureza de um acontecimento destes", explicou Jacinda Ardern ao The Guardian. "Há muito pouco tempo para nos sentarmos e pensarmos. Temos que fazer o que sentimos que é correto."

Logo a seguir, uma comissão de inquérito foi nomeada para investigar o caso e o parlamento iniciou a reforma da lei de posse de armas. Ainda há coisas por fazer. Por exemplo, no que toca às redes sociais que permitem a propagação dos discursos de ódio. "Mas esse é um problema global, não é um problema da Nova Zelândia", admite, apelando aos responsáveis pelas várias plataformas que tomem medidas para evitar esse tipo de linguagem que apela à violência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.