Israel recupera máscara "extremamente rara" com 9000 anos

Exemplar usado por caçadores na era do Neolítico foi encontrado num campo próximo de Hebron, cidade ocupada da Cisjordânia.

Uma das 15 máscaras de pedra existentes no mundo e que remontam à era do Neolítico, nos primórdios da sociedade agrícola, foi recuperada pelas autoridades israelitas em Hebron, foi anunciado esta quarta-feira em Jerusalém Leste.

Segundo a Autoridade das Antiguidades de Israel (IAA, sigla em inglês), a máscara com tons de rosa e amarelo foi encontrada na posse de ladrões e entregue às autoridades no início deste ano.

Os trabalhos iniciais de investigação da IAA vão ser apresentados publicamente esta quinta-feira, durante a reunião anual da Sociedade Pré-Histórica de Israel, informou o jornal The Times of Israel.

"Descobrir uma máscara feita de pedra, com um alto nível de acabamento, é muito emocionante. A pedra foi completamente alisada e os traços são perfeitos e simétricos, até mesmo os ossos da face estão delineados. Tem um nariz impressionante e uma boca com dentes distintos", afirmou, no Museu Rockefeller, a arqueóloga Roni Lupu.

A descoberta da máscara, segundo os investigadores, reforçou a teoria dos arqueólogos de que tinham encontrado um centro de produção de máscaras de pedra do período neolítico e dos primórdios da revolução agrícola.

"É uma descoberta arqueológica extraordinária e ainda mais incomum é o facto de sabermos de onde vem", realçou Ronit Lupu, uma vez que só duas das 15 máscaras existentes foram encontradas em locais de pesquisa arqueológica.

"O facto de termos informações sobre a sua localização exata torna essa máscara mais importante do que a maioria das máscaras de seu tempo", adiantou Ronit Lupu, da unidade de prevenção antiiroubo da IAA.

Omry Barzilai, diretor do Departamento de Pesquisa Arqueológica da IAA, sublinhou que essas máscaras de pedra estão relacionadas com o aumento dos rituais religiosos dos seres humanos na fase de transição entre a sociedade dos caçadores-coletores e a da domesticação de plantas e animais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.