"Houdini" indiano desaparece num rio

Mágico Chanchal Lahiri tinha saltado acorrentado e preso com seis cadeados para rio de Calcutá. Alerta foi dado pelos espetadores, depois de ter passado dez minutos submerso. Corpo por localizar.

Chanchal Lahiri, um mágico indiano de 41 anos que dava pelo nome artístico de Mandrake e era conhecido por reproduzir as arriscadas proezas de Harry Houdini, desapareceu no domingo no rio Hugli, um distributário do Ganges, durante um número que, tudo o indica, correu mal.

O alerta foi dado pelos espetadores que se tinham concentrado para assistir ao número, junto a um dos pilares da ponte Howrah, em Calcutá, no estado de Benguela.

Lahiri tinha sido lançado no rio por uma grua, com o corpo preso por seis cadeados e uma corrente. O objetivo do número era conseguir libertar-se e nadar para a superfície. Mas, ao fim de dez minutos submerso, a multidão entrou em pânico e alertou as autoridades.

As buscas, por equipas de mergulhadores, decorreram ao longo de todo o dia e início da noite de domingo, tendo sido retomadas na manhã desta segunda-feira, mas até agora não há qualquer sinal do ilusionista. De acordo com informações das autoridades citadas pela imprensa local, é possível que as fortes correntes tenham arrastado o corpo mas, até que este seja localizado, não será confirmado o óbito.

'Mandrake' tinha feito um número semelhante no mesmo local há cerca de uma década, na altura fazendo-se baixar no rio no interior de uma gaiola metálica, conseguindo escapar incólume. Desta vez, apesar de o número em si ter sido autorizado, é possível que não tenham sido cumpridos os procedimentos de segurança.

A investigação ao sucedido está agora em curso.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.