Tempestade Eleanor atinge Irlanda, Reino Unido, França e Alemanha

O vento e a chuva forte obrigaram a fechar autoestradas e cancelar voos em algumas zonas

Uma violenta tempestade com ventos de 150 quilómetros por hora está a afetar vastas zonas do Reino Unido, Irlanda, França e Alemanha, com milhares de casas sem eletricidade e perturbações no tráfego rodoviário, ferroviário e aéreo.

A tempestade Eleanor causou chuva forte, granizo e trovoadas, que obrigaram ao encerramento de pontes e estradas no Reino Unido. No sudoeste de Inglaterra, o mau estado do mar causou a destruição do paredão do porto de Cornwall.

As autoridades britânicas ordenaram por outro lado o encerramento de três grandes autoestradas de Inglaterra devido a uma série de capotamentos de automóveis devido ao vento e chuva fortes.

Em Cumbria, 450 quilómetros a noroeste de Londres, as rajadas atingiram hoje de manhã 160 quilómetros por hora (Km/h), segundo o instituto nacional de meteorologia britânico, Met Office.

A Eleanor atravessou o Canal da Mancha e assolou nas últimas horas o norte de França e a Alemanha, podendo registar-se ao longo do dia ventos até 130 quilómetros por hora.

Em França, as autoridades estimam que cerca de 200 mil residências por todo o país - especialmente oeste e norte - estejam sem energia, incluindo 30 mil na região de Paris. Bretanha, Mancha norte e região de Paris foram particularmente afetadas por ventos fortes.

Em Paris, registaram-se perturbações nas partidas e chegadas no aeroporto parisiense de Charles de Gaulle e a Torre Eiffel, parques, jardins e cemitérios estão encerrados.

Praticamente todos os distritos do litoral norte estão sob alerta laranja devido ao estado do mar.

Ainda em França, a tempestade estendeu-se nas últimas horas ao leste do país, onde os aeroportos de Estrasburgo e Basileia-Mulhouse tiveram de suspender as partidas durante parte da manhã.

Também o aeroporto de Zurique, na Suíça, registou o cancelamento de voos, enquanto outros foram redirecionados para outros aeroportos.

Na Alemanha, o cenário das últimas horas foi de estradas inundadas, árvores derrubadas e comboios descarrilados em várias regiões. A circulação de autocaravanas e roulottes, pesados sem carga, motorizadas e peões foi proibida nos locais especialmente expostos, como a ponte da Normandia e o viaduto de Grand Canal (oeste).

A zona ocidental do país é até ao momento a mais afetada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.