Emilie e o pai foram comprar tupperwares à IKEA e acabaram detidos

O incidente ocorreu em Estrasburgo. IKEA França já veio pedir desculpa

"Bem, vou contar como fiquei sob custódia por causa de tupperwares na IKEA", começa por explicar Emilie Guzzo na sua conta de Twitter. A mulher francesa e o seu pai passariam horas numa cela por se terem enganado ao passar as embalagens de plástico na caixa automática de uma loja da cadeia IKEA, em Estrasburgo, França, no início de outubro.

O propósito era mesmo comprar tupperwares e a visita à loja tinha tudo para ser normal, como tantas outras. Mas quando Emilie e o pai se dirigem à caixa self-service para proceder ao pagamento dos produtos, não reparam que estão a passar no scanner apenas as tampas, pois as respetivas caixas eram vendidas separadamente. Quando tentavam sair, um segurança aborda-os e pede que paguem tudo o que levam. Pai e filha não hesitaram e aceitam pagar a diferença.

O problema parecia resolvido, até o chefe de loja chegar. Apressa-se a intitulá-los de "ladrões" e decide chamar a polícia. Assim que as autoridades chegam, são dadas ordens para que os dois sejam detidos e levados para a esquadra, onde foram avisados que ficariam por pelo menos 24 horas, em celas separadas.

"Não te preocupes. Eles rapidamente verão que não fizemos nada". O pai de Emilie tentava acalmá-la, quando nada o fazia adivinhar as horas que ainda teriam pela frente. Um agente da polícia, a quem tentavam desesperadamente explicar a situação, diz-lhes, contudo, que "se não tivessem feito nada de mal, não estariam presos", segundo conta Emilie Guzzo.

A odisseia acabaria apenas três horas depois, quando o contacto de um agente leva um advogado até à esquadra e este pede que sejam libertados.

A história tornou-se pública através da conta de Twitter de Emilie e as reações foram quase imediatas, até mesmo da empresa IKEA de França, que se apressou a lamentar o sucedido. Também no Twitter, explicaram que "normalmente", preferem "o diálogo", pelo dizem estar arrependidos pelo sucedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.