Egito rejeita denúncias sobre menores detidos e torturados

A Amnistia Internaconal reportou pelos menos seis casos de crianças torturadas e 12 submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2013

O governo do Egito rejeitou hoje denúncias da Amnistia Internacional de casos de tortura e de desaparecimento forçado de crianças.

Num comunicado hoje divulgado, o Serviço de Informações do Estado (SIS) do Egito negou que haja crianças vítimas de "tortura, confinamento solitário e desaparecimento forçado".

O SIS respondia a um relatório publicado esta semana pela Amnistia Internacional (AI) com denúncias de pelos menos seis casos de crianças torturadas e 12 submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2013, citando fontes familiares.

No seu relatório, a AI relata casos concretos de duas crianças: Boumidian Abdallah, com 12 anos, preso em dezembro de 2017, e Mohamed Asser Zahreldin Abdel Warith, com 14 anos, presos em janeiro de 2016.

Para os serviços de informação egípcios, as alegações da AI não estão baseadas em "fontes seguras", mas reconhece que alguns casos relatados estão a ser investigados pelo Gabinete de Segurança do Estado.

Um desses casos é o de Boumidian Abdallah, com 12 anos, que foi preso pelo exército egípcio, a norte do Sinai, e, de acordo com a AI, mantido incomunicável por sete meses, antes de ser acusado.

O SIS nega esta denúncia e diz que este e outros jovens foram levados perante juízes, estando Boumidian a ser julgado num tribunal juvenil (e não num tribunal para adultos, como aparecia relatado pela Amnistia Internacional), por suspeita de pertencer a um grupo terrorista.

De acordo com o SIS, a criança de 12 anos é acusada de vigiar militares e polícias, ao serviço de grupos terroristas.

No caso de Warith, a AI diz que a criança foi feita desaparecer e sujeita a torturas, para confessar que pertencia a grupos terroristas e que teria participado num ataque a um hotel, estando a ser julgada juntamente com adultos.

As autoridades egípcias respondem que ele foi acusado por crimes cometidos quando já tinha 15 anos, pelo que terá de responder em tribunais de adultos por acusação de "organização terrorista e executar ataques violentos"

"As autoridades egípcias seguiram todas as normas determinadas pela Convenção dos Direitos das Crianças e foram dadas todas as garantias de justiça, tendo em conta a idade dos acusados", explica o SIS.

As autoridades egípcias pedem à Amnistia Internacional para ser "mais rigorosa" nas suas acusações e para não fazer parte de "campanhas politizadas" para descredibilizar o Egito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.