Duterte, o ″presidente misógino″, criticado por beijar emigrante

Comportamento foi considerado "repugnante"

Rodrigo Duterte beijou na boca uma emigrante filipina - o momento ficou captado em vídeo - e foi duramente criticado.

Gabriela, um grupo filipino de defesa dos direitos das mulheres, classificou o ato como "teatralidade repugnante de um presidente misógino que se sente no direito de rebaixar, humilhar ou desrespeitar as mulheres de acordo com o seu capricho".

Duterte falava este domingo para uma plateia de emigrantes em Seul, na Coreia do Sul, quando chamou duas emigrantes filipinas ao palco para lhes oferecer o livro "Altar de Segredos: Sexo, Política e Dinheiro na Igreja Católica Filipina", escrito pelo jornalista Aries Rufo, e uma obra que o presidente tem usado para gozar com a Igreja católica nas Filipinas, escreve o site Rappler.

As mulheres estavam visivelmente felizes por conhecerem Duterte, que está na Coreia do Sul para uma visita oficial de três dias. As filipinas receberam a oferta e já se tinham despedido com um aperto de mão quando o Presidente chamou uma delas e a convenceu a dar-lhe um beijo na boca, deixando-a visivelmente envergonhada, enquanto o público reagia efusivamente ao momento embaraçoso.

No vídeo consegue ouvir-se Duterte dizer: "É solteira? Está a separar-se dele? Pode explicar-lhe que isto é só uma brincadeira?".

A associação Gabriela condenou o ato publicamente através de um texto publicado na sua página de Facebook onde acusa o Presidente das Filipinas de usar estes "atos de machismo" como "entretenimento para esconder a realidade da sua quebra de popularidade devido a questões [como] execuções extrajudiciais, a lei da Reforma Tributária e os grandes escândalos de corrupção que agora assolam o seu Governo".

Esta não é a primeira vez que Duterte é acusado de comportamento inadequado em relação às mulheres. Em abril de 2016 fez uma declaração polémica acerca do homicídio e violação de uma missionária australiana em Davao, cidade de que era presidente da Câmara na altura do crime.

"Estava com raiva porque ela foi violada", disse o atual Chefe de Estado das Filipinas. "Mas ela era tão bonita, o presidente da Câmara deveria ter sido o primeiro, que desperdício". O seu gabinete acabaria por pedir desculpa pelos comentários.

Já no início deste ano, Duterte voltou a escandalizar o mundo quando afirmou que os soldados filipinos deveriam "disparar nas vaginas" das guerrilheiras comunistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.