Duterte, o ″presidente misógino″, criticado por beijar emigrante

Comportamento foi considerado "repugnante"

Rodrigo Duterte beijou na boca uma emigrante filipina - o momento ficou captado em vídeo - e foi duramente criticado.

Gabriela, um grupo filipino de defesa dos direitos das mulheres, classificou o ato como "teatralidade repugnante de um presidente misógino que se sente no direito de rebaixar, humilhar ou desrespeitar as mulheres de acordo com o seu capricho".

Duterte falava este domingo para uma plateia de emigrantes em Seul, na Coreia do Sul, quando chamou duas emigrantes filipinas ao palco para lhes oferecer o livro "Altar de Segredos: Sexo, Política e Dinheiro na Igreja Católica Filipina", escrito pelo jornalista Aries Rufo, e uma obra que o presidente tem usado para gozar com a Igreja católica nas Filipinas, escreve o site Rappler.

As mulheres estavam visivelmente felizes por conhecerem Duterte, que está na Coreia do Sul para uma visita oficial de três dias. As filipinas receberam a oferta e já se tinham despedido com um aperto de mão quando o Presidente chamou uma delas e a convenceu a dar-lhe um beijo na boca, deixando-a visivelmente envergonhada, enquanto o público reagia efusivamente ao momento embaraçoso.

No vídeo consegue ouvir-se Duterte dizer: "É solteira? Está a separar-se dele? Pode explicar-lhe que isto é só uma brincadeira?".

A associação Gabriela condenou o ato publicamente através de um texto publicado na sua página de Facebook onde acusa o Presidente das Filipinas de usar estes "atos de machismo" como "entretenimento para esconder a realidade da sua quebra de popularidade devido a questões [como] execuções extrajudiciais, a lei da Reforma Tributária e os grandes escândalos de corrupção que agora assolam o seu Governo".

Esta não é a primeira vez que Duterte é acusado de comportamento inadequado em relação às mulheres. Em abril de 2016 fez uma declaração polémica acerca do homicídio e violação de uma missionária australiana em Davao, cidade de que era presidente da Câmara na altura do crime.

"Estava com raiva porque ela foi violada", disse o atual Chefe de Estado das Filipinas. "Mas ela era tão bonita, o presidente da Câmara deveria ter sido o primeiro, que desperdício". O seu gabinete acabaria por pedir desculpa pelos comentários.

Já no início deste ano, Duterte voltou a escandalizar o mundo quando afirmou que os soldados filipinos deveriam "disparar nas vaginas" das guerrilheiras comunistas.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.