Estudo garante que ossadas descobertas em 1940 são de Amelia Earhart

Pode estar desfeito o mistério à volta da morte da aviadora norte-americana. Em 1937, tentava dar a volta ao Mundo quando o avião que pilotava desapareceu sobre o oceano Pacífico

O mistério à volta da morte de Amelia Earhart, a aviadora norte-americana que desafiou tudo e todos e quebrou barreiras ao nível da igualdade de género, poderá ter sido agora deslindado. Um novo estudo científico revela que as ossadas descobertas em 1940 numa ilha do Pacifico podem mesmo ser da mulher que se tornou um ícone do feminismo.

Em 1937, a aviadora tentava dar a volta ao Mundo quando o avião em que seguia desapareceu no Oceano Pacífico. Em 1940, três anos após o desaparecimento, foram encontrados, na ilha de Nikumaroro, ossadas, parte do que parecia ser um sapato de mulher e produtos comercializados nos anos 30. Numa primeira análise, os especialistas forenses concluíram que se tratavam de objetos que pertenciam a "um homem europeu de baixa estatura".

Mas durante décadas, as ossadas encontradas em Nikumaroro permaneceram envoltas em mistério.

Agora, 81 anos depois do desaparecimento da norte-americana, um estudo indica uma nova análise forense e revela que as ossadas encontradas pertencem a Amelia Earhart, com "99%" de certeza. O trabalho cientifico foi divulgado esta quinta-feira pelo jornal Forensic Anthropology, da Universidade da Florida, e publicado na Universidade do Tennessee.

Aliás, foi o professor de Antropologia Forense da universidade quem analisou as ossadas durante seis anos. Richard Jantz desenvolveu um software que ajuda a determinar o sexo, a ascendência e outras características através das medidas do esqueleto.

Na altura, muitas teorias da conspiração surgiram. Uma delas dava conta que Earhart e o seu navegador foram capurados pelos japoneses, acabando torturados e mortos

Com base em fotografias e várias informações descobertas nos documentos de Amelia Earhart, Jantz comparou as medidas dos ossos com as da aviadora, recorrendo à altura, peso, estrutura corporal e comprimento dos membros. E a conclusão não deixa dúvidas aos especialistas. "Os ossos de Earhart são mais parecidos com os ossos encontrados em Nikumaroro do que os de 99% dos indivíduos de uma grande amostra de referência", pode-se ler no estudo que foi revelado na revista científica. "No caso dos ossos de Nikumaroro, a única pessoa a quem eles podem pertencer é Amelia Earhart", garante a análise.

Pode agora ficar desfeito o mistério à volta do desaparecimento da aviadora. Na altura, muitas teorias da conspiração surgiram. Uma delas dava conta que Earhart e o seu navegador, Fred Noonan, tinham sido capturados pelos japoneses, acabando torturados e mortos.

Amelia Earhart tornou-se uma inspiração para muitas mulheres, por quebrar barreiras ao nível da igualdade do género

O facto de em 1940, os especialistas forenses dizerem que as ossadas encontradas não eram da aviadora, tem uma explicação simples. "Na altura, a osteologia forense não era uma disciplina desenvolvida", justificou Richard Jantz.

Amelia Earhart tornou-se uma inspiração para muitas mulheres, por quebrar barreiras no que à igualdade de género diz respeito. Não é por acaso que a empresa Mattel a homenageou no Dia Internacional da Mulher ao apresentar 14 bonecas Barbi - uma delas era a aviadora.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.