Como vai Kim neto celebrar 70 anos de Coreia do Norte?

A 9 de setembro a Coreia do Norte faz 70 anos. Kim Jong-un celebrará país criado pelo avô, Kim Il-Sung.

Dez a 20 ogivas nucleares, uma dinastia a mandar no país apesar de este ser uma república, lista oficial de cortes de cabelo para os homens. Sabe-se pouco sobre a Coreia do Norte e ao mesmo tempo sabe-se demasiado, muitas vezes com a informação que chega a ser especulação criada pelos desertores para se tornarem mais interessantes, outras vezes a ser a própria propaganda oficial a dar asas à imaginação. Mas os três dados básicos referidos chegam bem para sintetizar o que é o regime de Pyongyang e porque tem de ser levado a sério tudo o que faz Kim Jong-un, líder máximo desde 2011, depois de suceder ao pai Kim Jong-il.

Contava há dois dias o The Washington Post que em Pyongyang se prepara uma grande festa para 9 de setembro. É certo que ainda há dias tanto a Coreia do Norte como a do Sul assinalaram o 15 de agosto, data do fim da Segunda Guerra Mundial e da libertação da ocupação japonesa, mas é o dia que se aproxima que mais simbolismo tem para Kim: foi no verão de 1948, faz agora 70 anos, que o avô Kim Il-Sung proclamou a República Democrática Popular da Coreia.

Dois anos depois, incentivado por Moscovo e Pequim, o primeiro dos Kim tentou a reunificação pela força mas falhou, muito por culpa dos americanos, que vieram em defesa da Coreia do Sul e conseguiram que o primeiro grande embate da Guerra Fria terminasse empatado em 1953. A atual fronteira entre as Coreias não anda longe do Paralelo 38 definido em 1945 por soviéticos e americanos como delimitador das zonas de influência.

Que se passará então no dia 9? Um desfile militar percorrerá sem dúvida a principal avenida de Pyongyang e uma multidão bem ensaiada fará coreografias impressionantes. Mas haverá um convidado de honra? Depois da cimeira em Singapura de Kim em junho com Donald Trump até se poderia ser tentado a imaginar o presidente americano a visitar a Coreia do Norte, mas bem mais lógica seria a presença de Xi Jinping. Depois do fim da União Soviética, é Pequim que resta como protetor contra os americanos. O jornal Straits Times, de Singapura, diz que Xi vai.

Kim, embora atento ao que a China pensa, tem dado sinais de querer um entendimento com Trump que proteja o regime de um ataque preventivo e ao mesmo tempo quebre o isolamento que prejudica a economia. Conta para convencer os americanos com a influência de Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul, que tudo tem feito para acabar com o clima de guerra na península. Aliás, nova cimeira intercoreana está já combinada.

Mas apertos de mão entre Kim e Trump à parte, a velha desconfiança entre Pyongyang e Washington mantém-se e entre os americanos há quem já tenha percebido que Kim não vai desistir nunca do nuclear, aliás uma certeza que já foi dada por governantes norte-coreanos, como o ministro dos Negócios Estrangeiros. "Negociar com os americanos é difícil. Apesar de a Coreia do Norte ter concordado com o desarmamento para satisfazer os compromissos com os Estados Unidos, nós iremos conservar a nossa ciência nuclear, pois sabemos que os americanos não abandonarão a sua hostilidade", afirmou Ri Young Ho, à agência iraniana Mehr, citada pelo Financial Times.

Veremos que mensagem ao mundo Kim decidirá enviar dentro de três semanas, nos festejos. Se desfilar mísseis não será bom sinal. Sobretudo frente a Xi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".