Líder da Catalunha apela ao diálogo com Pedro Sánchez

Quim Torra voltou a manifestar a seu firme compromisso em "avançar de acordo com o referendo de 1 de outubro" de 2017, no sentido de criar "um Estado independente na forma de uma República"

O presidente do Governo da Catalunha, Quim Torra, apelou hoje em Barcelona ao novo chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, para iniciar conversações com o também novo executivo independentista daquela região espanhola.

"Presidente [do Governo] Pedro Sánchez, falemos, assumamos riscos, sentemo-nos à mesma mesa e negociemos de Governo para Governo. Esta situação que vivemos não pode prolongar-se nem mais um dia", disse Quim Torra, dirigindo-se ao novo chefe do executivo espanhol.

No discurso que fez na cerimónia de posse dos novos conselheiros (ministros regionais), em Barcelona, Torra expressou a sua "clara disposição para o diálogo", que considerou ser "imprescindível para resolver conflitos da forma como se faz no mundo civilizado".

Torra voltou a manifestar a seu firme compromisso em "avançar de acordo com o referendo de 1 de outubro" de 2017, no sentido de criar "um Estado independente na forma de uma República", um mandato que considera ter sido "referendado" naquela consulta à população.

O presidente do executivo regional terminou o Seu discurso com um "viva a Catalunha livre".

O novo Governo independentista da Catalunha tomou posse ao fim da manhã, pondo fim a um período de sete meses em que as forças separatistas tentaram, sem sucesso, eleger membros detidos ou fugidos no estrangeiro.

A posse tem lugar depois de, na passada terça-feira, o novo presidente do executivo catalão, Quim Torra, ter aceitado substituir quatro candidatos a ministro regional que estão na prisão ou fugidos no estrangeiro, acusados de delitos de rebelião no quadro do processo de independência.

Esta segunda lista com a composição do Governo regional (Generalitat) foi aprovada pelo executivo central liderado por Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), antes de este ser afastado e substituído na sexta-feira como primeiro-ministro de Espanha pelo líder do PSOE (socialista), Pedro Sánchez.

A cerimónia de hoje também marca o fim da intervenção direta de Madrid na Catalunha, iniciada em 27 de outubro do ano passado na sequência da declaração de independência aprovada pelo parlamento regional.

O "processo" de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma, nomeadamente através da dissolução do parlamento regional, a destituição do executivo regional e a convocação de eleições regionais que se realizaram a 21 de dezembro último.

Os separatistas catalães sustentam que o resultado do referendo sobre a autodeterminação da Catalunha realizado em 01 de outubro de 2017 e que foi considerado ilegal lhes permite declarar a independência da região.

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, prestou esta manhã juramento, em Madrid, como primeiro-ministro perante o rei, Felipe VI, tornando-se no sétimo chefe do executivo da democracia espanhola e depois do sucesso de uma moção de censura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?