Líder da Catalunha apela ao diálogo com Pedro Sánchez

Quim Torra voltou a manifestar a seu firme compromisso em "avançar de acordo com o referendo de 1 de outubro" de 2017, no sentido de criar "um Estado independente na forma de uma República"

O presidente do Governo da Catalunha, Quim Torra, apelou hoje em Barcelona ao novo chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, para iniciar conversações com o também novo executivo independentista daquela região espanhola.

"Presidente [do Governo] Pedro Sánchez, falemos, assumamos riscos, sentemo-nos à mesma mesa e negociemos de Governo para Governo. Esta situação que vivemos não pode prolongar-se nem mais um dia", disse Quim Torra, dirigindo-se ao novo chefe do executivo espanhol.

No discurso que fez na cerimónia de posse dos novos conselheiros (ministros regionais), em Barcelona, Torra expressou a sua "clara disposição para o diálogo", que considerou ser "imprescindível para resolver conflitos da forma como se faz no mundo civilizado".

Torra voltou a manifestar a seu firme compromisso em "avançar de acordo com o referendo de 1 de outubro" de 2017, no sentido de criar "um Estado independente na forma de uma República", um mandato que considera ter sido "referendado" naquela consulta à população.

O presidente do executivo regional terminou o Seu discurso com um "viva a Catalunha livre".

O novo Governo independentista da Catalunha tomou posse ao fim da manhã, pondo fim a um período de sete meses em que as forças separatistas tentaram, sem sucesso, eleger membros detidos ou fugidos no estrangeiro.

A posse tem lugar depois de, na passada terça-feira, o novo presidente do executivo catalão, Quim Torra, ter aceitado substituir quatro candidatos a ministro regional que estão na prisão ou fugidos no estrangeiro, acusados de delitos de rebelião no quadro do processo de independência.

Esta segunda lista com a composição do Governo regional (Generalitat) foi aprovada pelo executivo central liderado por Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), antes de este ser afastado e substituído na sexta-feira como primeiro-ministro de Espanha pelo líder do PSOE (socialista), Pedro Sánchez.

A cerimónia de hoje também marca o fim da intervenção direta de Madrid na Catalunha, iniciada em 27 de outubro do ano passado na sequência da declaração de independência aprovada pelo parlamento regional.

O "processo" de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma, nomeadamente através da dissolução do parlamento regional, a destituição do executivo regional e a convocação de eleições regionais que se realizaram a 21 de dezembro último.

Os separatistas catalães sustentam que o resultado do referendo sobre a autodeterminação da Catalunha realizado em 01 de outubro de 2017 e que foi considerado ilegal lhes permite declarar a independência da região.

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, prestou esta manhã juramento, em Madrid, como primeiro-ministro perante o rei, Felipe VI, tornando-se no sétimo chefe do executivo da democracia espanhola e depois do sucesso de uma moção de censura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...