Cambridge quer saber até que ponto beneficiou da escravatura

Universidade britânica é o mais recente exemplo de instituições do ensino superior anglo-saxónicas que estão a avaliar o próprio papel no recurso ao trabalho escravo e a admitir fazer reparações milionárias pelo seu passado.

A Universidade de Cambridge, no Reino Unido, lançou uma investigação de dois anos com o objetivo de apurar até que ponto beneficiou, nomeadamente a nível financeiro, do comércio internacional de escravos. Uma medida que surge depois de várias outras instituições do ensino superior, sobretudo em países anglo-saxónicos, terem dado início a processos idênticos, dos quais já resultaram em alguns casos elevadas compensações financeiras, quer diretamente, a descendentes de escravos, quer através de outras medidas destinadas a reparar os erros cometidos.

O levantamento histórico será conduzido por um grupo de trabalho criado recentemente no Centro de Estudos Africanos da universidade e terá como fontes de investigação os arquivos, livrarias e museus da universidade.

"Não podemos mudar o passado mas também não devemos tentar esconder-nos dele", explicou o vice-reitor da universidade, Stephen Toope, citado pela BBC."Nesta fase não podemos saber exatamente aquilo que iremos encontrar", acrescentou Martin Millet, que irá liderar o grupo de trabalho. "Mas é razoável assumir que, tal como muitas outras grandes instituições britânicas durante a era colonial, a universidade tenha beneficiado direta ou indiretamente da escravatura".

Millet acrescentou que os investigadores esperam também encontrar exemplos de oposição à escravatura numa época em que esta era considerada aceitável pela sociedade. "Estamos igualmente interessados na forma como académicos da universidade ajudaram a formar a opinião pública e política, apoiando, reforçando e por vezes contestando atitudes raciais que são repugnantes no século XXI."

Pagar pelos erros do passado

A Universidade de Glasgow, na Escócia, terminou no ano passado um inquérito semelhante, concluindo ter obtido donativos equivalentes a cerca de 230 milhões de euros atuais, resultantes de ganhos do comércio de escravos. A direção da Universidade de Londres anunciou a criação de um fundo de 115 milhões de euros destinado a financiar reparações pela escravatura e desafiou as diferentes instituições do ensino superior do país a contribuírem.

Esta reavaliação do papel das grandes universidades tem acontecido dos dois lados do Atlântico. A universidade de Harvard, nos Estados Unidos, anunciou recentemente que irá alterar o símbolo da sua faculdade de Direito por este incluir três fardos de trigo, alusivos a um antigo benfeitor da instituição que era um rico comerciante de escravos.

Também nos Estados Unidos, a Universidade de Georgetown, Washington, anunciou que irá indemnizar os descendentes de cerca de duas centenas de escravos vendidos pela instituição no século XIX.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.