Calor deixa Angela Merkel a tremer na receção ao presidente da Ucrânia

Chanceler alemã recebia o chefe de Estado da Ucrânia quando se sentiu indisposta, ficando a tremer durante mais de um minuto. Mais tarde, disse que estava desidratada devido ao calor

Um vídeo de um minuto lançou esta tarde dúvidas sobre o estado de saúde da chanceler alemã. Nas imagens colhidas durante a receção ao presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky, Angela Merkel está visivelmente a tremer enquanto uma banda militar tocava os hinos dos dois países, numa cerimónia que teve lugar pelo meio desta terça-feira sob temperaturas de 30 graus.

Merkel (64 anos) já desdramatizou o caso dizendo que estava desidratada. "Bebi pelo menos três copos de água e estou bem", garantiu após a receção.

Na conferência de imprensa conjunta, o presidente Zelensky, um ator/comediante que se tornou político e ganhou as recentes eleições na Ucrânia para a presidência, garantiu que se tivesse sido necessário tinha ajudado a chanceler germânica. "Ela estava ao meu lado e completamente segura", frisou.

Esta não foi a primeira vez que Angela Merkel mostrou sinais de cansaço. Há cinco anos interrompeu uma entrevista à estação de televisão alemã ZDF por não se sentir bem. Em 2015, caiu de uma cadeira quando assistia a uma peça no Festival Wagner. Na altura especulou-se que poderia ter sofrido uma convulsão, mas segundo o jornal brasileiro Correio do Povo os seus assessores garantiram que a cadeira se tinha partido.

Chanceler desde 2005 e líder dos democratas-cristãos da CDU desde 2000, Angela Merkel não concorreu à liderança do partido no congresso que teve lugar em dezembro - foi eleita Annegret Kramp-Karrenbauer - e anunciou no ano passado que não irá concorrer a mais cargos políticos, nem às eleições federais de 2021, abandonando assim a vida política.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.