"Beebo", que roubou um avião em Seattle, era um tipo simpático e que gostava de viajar

A família e os amigos lembram-no como "um homem afável e sensível". Ninguém imaginava Richard Russell de 29 anos, capaz de fazer algo assim.

"Pode ser difícil de imaginar para quem vê as imagens na televisão, mas Beebo era um homem afável e sensível", afirmou a família de Richard Russell, o homem que este sábado roubou um avião em Seattle, acabando por se despenhar e morrer. "Era um marido fiel, um filho amoroso e um bom amigo. Um amigo de infância sublinha que Beebo era amado por todos porque era simpático e gentil para todas as pessoas que conhecida."

No comunicado, lido por um amigo da família, recorda-se ainda que na gravação da conversa entre Richard Russel e os controladores aéreos, é possível perceber que ele não tinha intenção de magoar ninguém.

No seu blog pessoal, Richard Russell (Beebo para os amigos) conta como sonhava viajar até ao Alasca e como era apaixonado por viagens e pela mulher, Hannah. Num vídeo quee publicou em dezembro do ano passado fala um pouco do seu trabalho e das viagens que gostou de fazer:

Rick Christenson, um antigo colega de trabalho, lembra Richard como "um tipo calmo", que "parecia ser apreciado pelos outros trabalhadores". "Isto é um choque enorme para nós", afirmou a família. "Estamos arrasados."

A polícia está neste momento a investigar como foi possível um empregado de uma companhia aérea, com tendências suicidas, roubar um avião do aeroporto internacional de Seattle-Tacoma e pilotá-lo durante mais de uma hora até se despenhar.

Russel, de 29 anos, foi sujeito a um exame médico quando contratado pela Horizon Airlines em fevereiro de 2015 e depois a exames regulares de dois em dois anos, mas não foi detetado nada de anormal. Na conversa que teve com os controladores aéreos Richard Russell admite que é "apenas um tipo destroçado".

A polícia acredita que Richard Russell se aproveitou do facto de ter acesso aos aviões devido ao seu trabalho - que incluía limpeza e reboque das aeronaves, assim como o transporte de bagagens. No entanto, o presidente da Horizon, Gary Beck, está intrigado com onde é que ele terá aprendido a pilotar um avião.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.