"Sou um tipo maluco". Revelada a conversa entre ladrão de avião e torre de controlo

Funcionário de companhia aérea roubou avião vazio do aeroporto de Seattle e descolou, tendo-se despenhado pouco tempo depois.

Após o funcionário de uma companhia área ter roubado esta sexta-feira um avião vazio da pista do aeroporto de Seattle, levantado voo e se ter despenhado pouco tempo depois, o jornal Seattle Times divulgou os áudios da conversa entre o ladrão e a torre de controlo do aeroporto.

Rich, nome que os controladores utilizaram para se dirigir ao piloto suicida, mostrou-se animado e despreocupado, apenas lamentando que o combustível "tenha sido consumido mais rápido que o que esperava" enquanto na torre de controlo o tentavam convencer a aterrar.

"Há uma pista do lado direito a aproximadamente uma milha (1609 metros)", indicavam os controladores, referindo-se à base aérea do Exército Lewis-McChord. "Vou magoar-me se aterrar lá. Provavelmente têm defesas antiaéreas", respondeu Rich, que ignorou as recomendação para "encontrar um lugar para aterrar de maneira segura" e comentou que as suas ações "provavelmente" o levariam a passar o resto da vida na prisão, uma ideia que a torre de controlo tentou desvalorizar: "Não nos vamos preocupar com isso, mas podes começar a virar para a esquerda por favor?"

Durante os minutos em que Rich permaneceu nos céus de Seattle, voltou a revelar boa disposição, apesar da inexperiência. "Achas que se eu aterrar com êxito a Alaska Airlines me vai contratar como piloto?", perguntou, não ficando sem resposta: "Acho que te dariam qualquer tipo de trabalho se o conseguires."

"Há muitas pessoas que se preocupam comigo. Eles ficarão desapontados ao saber que eu fiz isso. Gostaria de pedir desculpa a cada um deles. Sou um tipo maluco, com alguns parafusos soltos, acho. Nunca soube, até agora", disse Rich pouco antes de despenhar-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.