Alexandre Frota vai ter de indemnizar juiz que acusou de "julgar com a bunda"

O ex-ator, hoje deputado, ficara inconformado por perder caso em que processara ex-ministra de Dilma Rousseff. Além do dinheiro, terá ainda de pedir desculpas públicas.

Alexandre Frota, deputado federal pelo PSL, o mesmo do presidente Jair Bolsonaro, vai indemnizar em 25 mil reais, equivalente a mais de cinco mil euros, o juiz Luiz Eduardo Scarabelli. O parlamentar, que teve longa carreira como ator, inclusivamente de filmes pornográficos, antes de ser eleito em outubro passado, concordou em pagar esse valor como compensação por ter dito que o magistrado julgara um caso em que ele era parte "com a bunda".

Frota perdeu um processo por danos morais contra Eleonora Menicucci, que fora ministra das políticas para as mulheres do governo de Dilma Rousseff, julgado por Scarabelli, em 2017. A ex-ministra havia criticado um encontro de Frota com Mendonça Filho, o então ministro da educação de Michel Temer, afirmando que o ex-ator tinha violado uma mulher, uma mãe de santo, e se tinha gabado desse facto numa entrevista televisiva.

Frota rebateu, dizendo que contara apenas uma piada, e processou Menicucci. Como a sentença do juiz lhe foi desfavorável disse então que ele havia julgado "com a bunda". E acrescentou: 'Ele é um ativista do movimento gay, ele não julgou com a cabeça, julgou com a bunda".

No acordo, o deputado afirma que deu as declarações em um "ambiente de pressão" e que nunca pretendeu atingir a conduta profissional do magistrado. "Publicamente admito que os termos utilizados foram ofensivos, cuja verdade não posso provar"

Além da indemnização, o deputado tem ainda até ao fim deste mês para se desculpar publicamente com o juiz pelas redes sociais.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.