PSOE teria mais votos do que o PP, o Ciudadanos e o Vox juntos

Estudo de opinião foi feito antes de Pedro Sánchez falhar a investidura no Parlamento em julho. O Ciudadanos perderia metade dos votos e a Unidas Podemos também cairia.

Uma sondagem do Centro de Investigações Sociológicas (CIS), realizada após as eleições autonómicas e municipais de maio e antes de o socialista Pedro Sánchez falhar a investidura no Parlamento em julho, revela que o PSOE voltaria a ganhar umas legislativas, com 29,7% dos votos diretos expressos, deixando o Partido Popular a grande distância. A formação de Pablo Casado não iria além dos 11,6%, segundo este estudo.

Nas legislativas de 28 de abril, o PSOE teve 28,7% e o PP teve 16,7%. O Ciudadanos foi terceiro, com 15,9%, mas segundo o estudo do CIS cairia agora, caso haja novas eleições, para os 7,4%. A aliança Unidas Podemos, que une Podemos e Esquerda Unida, teve 14,3% nas eleições. Agora, teriam 8,9% (contando com as alianças regionais). O Vox, em respostas diretas, tem 3,3% (muito abaixo dos 10,3% que conseguiu nas eleições). Mais de 20% dos inquiridos diz que não votaria ou que ainda não sabe quem escolheria.

Extrapolando com base nas respostas diretas e das preferências expressas pelos inquiridos, a sondagem diz que o PSOE teria 32,2% das intenções de voto, o PP 12,8%, o Ciudadanos 8,6% e a Unidas Podemos ficaria perto dos 10% (contando com alianças regionais). O Vox teria 3,5%.

O PSOE e o Podemos teriam cerca de 42%, enquanto o bloco de direita não iria além dos 24,5% -- sete pontos percentuais abaixo até do resultado dos socialistas sozinhos.

O trabalho de campo foi feito entre 17 de junho e 16 de julho, antes da investidura falhada de Sánchez, tendo sido feitas 9151 entrevistas. O primeiro-ministro e líder do PSOE não conseguiu negociar ainda um acordo com a Unidas Podemos, de Pablo Iglesias, para a formação de governo, tendo até 23 de setembro para tentar passar a investidura, sob ameaça de novas eleições a 10 de novembro. O rei Felipe VI convocou os partidos para uma nova ronda de consultas a 16 e 17 de setembro.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.