Hillary Clinton vai apoiar candidatura de Joe Biden ainda esta terça-feira

Hillary Clinton, a primeira mulher a candidatar-se à Presidência dos EUA, vai anunciar ainda esta terça-feira o apoio à candidatura do democrata Joe Biden, segundo os media norte-americanos.

Hillary Clinton usou a sua conta na rede social Twitter para revelar que será a "convidada surpresa" de uma mesa redonda virtual que os reunirá numa iniciativa de campanha do Partido Democrata.

Em resposta a esta mensagem, Joe Biden respondeu, também no Twitter, usando um dos slogans de Hillary Clinton, na campanha presidencial de 2016: "Estou com ela!".

Joe Biden deverá ser escolhido como candidato democrata à Casa Branca na convenção do Partido Democrata, em agosto, depois do abandono de todos os outros adversários, nas primárias.

O ex-vice-Presidente tem reunido o apoio de quase todas as figuras mais relevantes do seu partido, incluindo Barack Obama, com quem partilhou a Casa Branca, durante oito anos, e Nancy Pelosi, líder da maioria democrata na Câmara de Representantes do congresso.

Mais de 2.500 personalidades democratas juntaram-se ao esforço de Biden para tentar derrotar o candidato republicano, o atual Presidente, Donald Trump, que se recandidata a um segundo mandato, nas eleições presidenciais que se realizam em 03 de novembro.

Perante o prenúncio de endosso de Hillary Clinton, o diretor de campanha de Biden, Brad Parscale, reafirmou a mensagem de que o candidato democrata tem "a mais abrangente base de apoio" que alguma vez o partido conseguiu.

Esta base de apoio contrasta com a forte divisão que Hillary Clinton trouxe para o Partido Democrata, na sua candidatura de 2016.

Biden já prometeu que escolherá uma mulher para se candidatar ao lugar de vice-Presidente, uma decisão que Hillary Clinton saudou.

Enquanto primeira-dama, quando Bill Clinton chegou à Casa Branca, e enquanto secretária de Estado de Obama, Hillary foi sempre uma voz ativa na discussão sobre os direitos das mulheres.

"Os direitos humanos são direitos das mulheres e os direitos das mulheres são direitos humanos", defende Hillary Clinton, que deverá trazer esta discussão para a mesa de conversa, esta terça-feira com Joe Biden, no momento em que anunciará o seu apoio ao candidato democrata.

Outro tema central das conversas entre os democratas é a interferência da pandemia de covid-19 nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, no momento em que sondagens dizem que 67% dos norte-americanos acreditam que o ato eleitoral pode vir a ser perturbado por causa da crise sanitária.

Sete em cada 10 pessoas são favoráveis a que a votação possa ser feita por correspondência, de forma voluntária, enquanto a maioria acredita que todas as próximas eleições deveriam apenas realizar-se por correio.

Joe Biden disse na semana passada que Trump tudo fará para adiar as eleições presidenciais, invocando a pandemia, para preservar as suas hipóteses de reeleição.

O Presidente já rejeitou esta possibilidade.

"Eu nunca pensei em mudar da data da eleição. Por que faria eu isso?", disse Trump, acrescentando que está "ansioso" pelo ato eleitoral.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG