Homicida-herói da London Bridge vai ter redução de pena

Pode parecer confuso, mas é simples: Steve Gallant, que impediu que o terrorista da London Bridge atacasse mais pessoas, é um condenado por homicídio que estava naquele dia num programa de reabilitação para reclusos. A justiça quer recompensá-lo

Steve Gallant, condenado a 17 anos por homicídio, estava em liberdade, no âmbito de um programa de reabilitação, no dia em que a London Bridge foi palco de um ataque terrorista. Quando em novembro do ano passado Usman Khan começou a esfaquear pessoas, Gallant não hesitou e confrontou-o para impedir que atacasse mais gente. Esse ato heroico pode agora valer-lhe um perdão real, com uma redução da pena em dez meses.

Steven Gallant, 42, foi condenado a 17 anos de cadeia em 2005 pelo assassinato do ex-bombeiro Barrie Jackson, em Hull, por pensar que ele tinha atacado a sua namorada.

"O chanceler concedeu a Steven Gallant uma Prerrogativa Real de Misericórdia, reduzindo a sua pena em 10 meses em reconhecimento de suas ações excecionalmente corajosas no Fishmongers 'Hall, que ajudaram a salvar a vida das pessoas, apesar do tremendo risco para ele próprio", disse o porta-voz do Ministério da Justiça, citado pela BBC.

A Prerrogativa Real de Misericórdia é concedida pela Rainha, a conselho de seu Governo, e não tem precedentes para um assassino encarcerado. E o último homicida a receber o perdão real foi o ex-líder do IRA e informante da polícia Sean O'Callaghan, que foi libertado há quase 25 anos.

Significa isto que Gallant, de 42 anos, terá 10 meses anulados da sentença de 17 anos que lhe foi imposta em 2005 - e agora pode ir a um Conselho de Liberdade Condicional, em junho de 2021, que decidirá se o homicida-herói pode ou não sair em liberdade.

O Ministério da Justiça confirmou que a decisão foi tomada como resultado das "ações excecionalmente corajosas" de Gallant.

De facto, o homicida não hesitou em lutar corpo a corpo com o assassino da London Bridge, que no ataque tirou a vida a Saskia Jones e Jack Merritt. O terrorista seria morto a tiro pela polícia.

A diminuição da pena parece ser consensual. "Steve merece totalmente este perdão ou redução da pena", disse o pai de Merritt ao Daily Mirror.

Gallant foi um dos dois homens condenados pelo assassinato de Barri Jackson, de 33 anos. Durante o julgamento, ficou provado que o homicídio foi levado a cabo porque Gallant, erradamente, acreditava que Jackson tinha atacado a sua namorada.

Jack Jackson, o filho do homem que Gallant matou, também concorda com a redução da pena: "Na minha opinião, Gallant quase cumpriu a sua pena e se alguém passou por reabilitação e mudança, o que parece que ele fez, então é justo", disse ao Mirror.

Gallant foi uma das três pessoas que foram filmadas a agarrar Khan na ponte durante o ataque. E que viria a dizer que, mesmo perante o perigo, "não hesitou" em intervir.

Usman Khan já tinha sido condenado por terrorismo, em 2012, e libertado em dezembro de 2018 - no momento do ataque usava pulseira eletrónica. O homem, de 28 anos, referenciado pelas autoridades e serviços secretos britânicos, faria parte do grupo que preparava um ataque à Bolsa de Valores, que o MI5 e a polícia conseguiram desmantelar.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG