Guterres alerta: ONU pode ficar sem dinheiro até final do mês

Os estados-membros das Organização das Nações Unidas (ONU) só pagaram 70% das contribuições previstas e o défice atingiu quase 210 milhões de euros. Vão ser precisas "medidas adicionais" para garantir salários dos funcionários

O Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, alertou os funcionários que pode não haver verbas para pagar os seus salários no final deste mês, devido ao défice financeiro da organização que já atingiu cerca de 210 milhões de euros.

Numa uma carta enviada aos 37.000 funcionários do secretariado da ONU, citada pela Agência France Press (AFP), Guterres afirmou que tinham que ser tomadas "medidas adicionais" não especificadas para garantir que salários e direitos fossem pagos.

"Os Estados Membros pagaram apenas 70% do valor total necessário para as nossas operações regulares em 2019. Isso traduziu-se numa escassez de caixa de US $ 230 milhões (209,2 milhões de euros) no final de setembro. Corremos o risco de esgotar as nossas reservas de liquidez de backup até o final do mês ", escreveu o secretário-geral.

Para reduzir custos, Guterres referiu o adiamento de conferências e reuniões e a redução de serviços, além de restringir as viagens oficiais apenas a atividades essenciais e tomar medidas para economizar energia.

Guterres havia pedido aos Estados membros no início deste ano que aumentassem as contribuições ao organismo mundial para evitar problemas de fluxo de caixa, mas estes recusaram, disse um funcionário da ONU sob anonimato.

"A responsabilidade final pela nossa saúde financeira cabe aos Estados-Membros", afirmou Guterres.

Excluindo o que se paga pelas operações de manutenção da paz, o orçamento operacional da ONU para 2018-2019 é de quase US $ 5,4 biliões (4,55 mil milhões de euros), com os Estados Unidos a contribuirem com 22%.

Como é financiada a ONU

Sendo um dos maiores 'patrocinadores' da ONU, o presidente norte-americano, Donald Trump tem exigido que as decisões da organização não contrariem as suas próprias linha políticas. Ainda no ano passado ameaçou cortar os fundos para o programa da ONU que presta assistência a refugiados palestinianos - o que teria consequências graves para milhões de pessoas.

Em 2017, os EUA chegaram mesmo a cortar 240 milhões de euros na sua contribuição, uma decisão menos de uma semana depois de as Nações Unidas terem condenado, com 128 votos a favor, 9 contra e 35 abstenções, a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. Na altura, a representante dos EUA, Nikki Haley, disse que a posição das Nações Unidas foi "uma vergonha" e sublinhou que a ONU se tornou "um lugar hostil para Israel".

Mais de metade do orçamento da ONU é dirigido para ajuda humanitária e programas de apoio ao desenvolvimento. As missões de manutenção de paz absorvem cerca de 20% do orçamento.

A organização é financiada de duas maneiras - por meio de pagamentos obrigatórios e contribuições voluntárias. Cada um dos 193 membros da organização deve pagar uma percentagem do orçamento operacional regular da ONU e do orçamento de manutenção da paz.

Essas contribuições são determinadas por uma fórmula complexa que exige que os Estados Unidos paguem 22% do orçamento geral e 28% do orçamento de manutenção da paz. Essas são as maiores ações de qualquer nação.

A seguir aos EUA, são o Reino Unido, Alemanha, o Japão e a União Europeia, os principais financiadores. Além dos países há outros grandes contribuidores, como a Fundação Bill e Melinda Gates, que nos últimos três anos contribuiu com quase 280 milhões de euros anualmente, colocando-a na 25ª posição na lista dos maiores financiadores, logo após a Argentina.

Por outro lado, existem ainda diversas agências da ONU, mais de 30, especializadas, programas e fundos, como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), por exemplo, são financiadas em parte por pagamentos obrigatórios.

Exclusivos