Giuliani recebe o mesmo cocktail de drogas anti-covid que deram a Trump

Revelação foi feita pelo próprio, num telefonema do hospital onde está internado para o seu programa de rádio.

Rudy Giuliani, advogado de Donald Trump infetado com covid-19, está a receber o mesmo tratamento com medicamentos que o presidente dos Estados Unidos recebeu quando deu positivo ao vírus SARS-cov-2. A revelação foi feita pelo próprio, numa chamada telefónica a partir do hospital onde está internado para o seu programa de rádio, esta quarta-feira.

O advogado deu entrada no Medstar Georgetown University Hospital, em Washington DC, no domingo, depois de ter sido diagnosticado positivo à covid-19. Afirma, no entanto, que está a sentir-se bem e espera ter alta o mais tardar na próxima quarta-feira.

"Estou a passar bem. Praticamente todos os sintomas passaram. No momento em que tomei o cocktail [de medicamentos] senti-me 100% melhor. Aquilo funciona muito rapidamente, uau", disse Giuliani à 77 WABC, citado pela BBC.

O próprio Trump também elogiou várias vezes esta mistura experimental de fármacos, tanto que chegou a afirmar que iria disponibilizá-la para toda a população -- algo que é impossível uma vez que o medicamento não está aprovado para uso generalizado pelas autoridades competentes, uma vez que não passou por todos os testes clínicos necessários.

O número de casos positivos à covid-19 em redor de Trump continuam a surgir. Ainda esta terça-feira foi conhecido mais um: a outra advogada do presidente, Jenna Ellis, que trabalhava em parceria com Giuliani a tentar reverter na justiça os resultados das eleições presidenciais de 03 de novembro.

Tanto Ellis como Giuliani são dois casos que se podem rapidamente transformar em "superspreaders" -- pessoas responsáveis por infetar um grande número de outros indivíduos. Ao longo da sua campanha para tentar convencer, sem êxito, responsáveis administrativos ou judiciais de que houve fraude eleitoral, mantiveram reuniões com dezenas de pessoas em vários estados e, segundo vários relatos, a maioria das vezes não tiveram grandes cuidados de proteção sanitária.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG