França. Sylvain é professor primário e tem o corpo coberto de tatuagens. Há pais que dizem que assusta

Há pais que reclamam da aparência do professor Sylvain Helaine, 35 anos. Dizem que os filhos ficam assustados. Freaky Hood, como é conhecido, diz que os alunos e pais que o conhecem não apontam problemas. Mas já foi afastado de um jardim de infância.

É professor e tem o corpo, o rosto e até a língua cobertos de tatuagens. Sylvain Helaine recorreu mesmo a cirurgia para que o branco dos olhos ficasse preto. É professor primário em Paris e mas já foi impedido de continuar a ser educador num jardim de infância francês depois de um pai ter reclamado que Helaine assustou o seu filho.

A história gerou discussão em França e com o novo ano letivo, já que é professor primário. Sylvain Helaine, de 35 anos, ainda dá aulas para crianças a partir dos seis anos e rejeita que o seu aspeto cause problemas e afirma que, após um choque inicial ao vê-lo pela primeira vez, os seus alunos acabam por se habituar à sua aparência.

"Todos os meus alunos e os seus pais sempre foram simpáticos comigo porque basicamente conhecem-me", disse Helaine, que estimou ter passado cerca de 460 horas sob a agulha dos tatuadores.

"Só quando as pessoas me veem de longe é que podem presumir o pior."

Conhecido também como Freaky Hood, Helaine disse no ano passado que ensinava no jardim de infância na Escola Docteur Morere em Palaiseau, um subúrbio de Paris, quando os pais de uma criança de três anos reclamaram às autoridades educacionais. Disseram que o filho, que não era aluno de Helaine, teve pesadelos depois de vê-lo.

Alguns meses depois, as autoridades da escola informaram-no que não iria mais lidar com crianças do jardim de infância. "A decisão que tomaram foi muito triste", disse Helaine.

Um porta-voz da autoridade educacional local disse que um acordo foi alcançado com Helaine para tirá-lo do ensino do jardim de infância. Os alunos com menos de seis anos "podem ficar assustados com a sua aparência", disse o porta-voz.

Apesar dos contratempos, Helaine disse que pretende continuar com a carreira que escolheu. "Sou professor de escola primária. Amo o meu trabalho."

O francês explica que começou a fazer tatuagens aos 27 anos, quando, enquanto lecionava numa escola particular em Londres, e teve uma "crise existencial". Desde então,"fazer tatuagens é a minha paixão."

Espera mostrar aos seus alunos que devem aceitar pessoas que são diferentes da norma. "Talvez quando forem adultos, sejam menos racistas, menos homofóbicos e mais abertos", disse.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG