Ex-líder da Academia Sueca Sara Danius morre aos 57 anos

Sob a sua direção, a Academia Sueca realizou votações polémicas para o Nobel da Literatura, como a bielorussa Svetlana Alexievich, o norte-americano Bob Dylan e o britânico Kazuo Ishiguro.

A sueca Sara Danius, a primeira mulher a ocupar o cargo de secretária permanente da Academia Sueca, morreu aos 57 anos, informou hoje a família da escritora à agência TT. Segundo a imprensa sueca, Sara Danius morreu de cancro de mama.

A escritora, catedrática em Literatura e ainda crítica literária foi eleita membro da Academia Sueca em 2013.

Sob a sua direção, a Academia Sueca realizou votações polémicas para o Nobel da Literatura, nomeadamente a bielorussa Svetlana Alexievich, o norte-americano Bob Dylan e o britânico Kazuo Ishiguro.

A instituição também viveu uma grave crise depois de várias acusações, inclusivamente de abusos sexuais, feitas em novembro de 2017 ao diário sueco Dagens Nyheter, contra uma pessoa ligada à Academia.

Esta pessoa é o francês Jean-Claude Arnault, marido da académica Katarina Frostenson, com quem dirigia um clube literário apoiado pela Academia Sueca e que era amigo de vários membros da instituição.

A Academia Sueca havia encomendado uma auditoria, a qual detetou irregularidades no financiamento do clube, alertou sobre o papel problemático de Katarina Frostenson e concluiu que Arnault tinha divulgado o nome do vencedor do Nobel em sete ocasiões.

Sara Danius deixou o cargo na Academia Sueca em 2018, ano em que o Nobel de Literatura não foi atribuído devido à crise na instituição.

Interinamente, assumiu Anders Olsson, tendo Mats Malm ocupado o secretariado permanente em 2019. Katarina Frostenson acabou também por sair da instituição.

A morte de Sara Danius ocorre dois dias depois da Academia atribuir os prémios Nobel de Literatura para a polaca Olga Tokarczuk, referente a 2018, e para o austríaco Peter Handke (2019).

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.