Espanha registou zero mortes por covid-19, mas é um zero falso

Números do governo central e das comunidades autónomas não batem certo: as zero mortes anunciadas nas últimas 24 horas serão afinal pelo menos 16, com 11 delas registadas em Madrid. Números, no entanto, têm baixado consideravelmente na última semana.

Nenhuma morte nas últimas 24 horas em Espanha. O número foi avançado esta segunda-feira pelo Ministério da Saúde espanhol, citado pelo El País, e seria uma surpresa, não fosse o facto de no decorrer do dia de hoje pelo menos duas comunidades (uma delas Madrid) terem anunciado 16 óbitos devido à doença.

Espanha, que aliviou ainda mais as medidas de restrição esta segunda-feira - a maior parte da população poderá começar a frequentar restaurantes, piscinas e centros comerciais - tem registado, contudo, uma quebra nos novos casos de infeção por covid-19 e também de óbitos em resultado da doença.

O Ministério da Saúde espanhol revelou que houve 35 mortes provocadas pela pandemia de covid-19 na última semana e nenhuma nas últimas 24 horas, sendo o total de óbitos desde o início da pandemia de 27 127.

Os serviços sanitários espanhóis recebem diariamente os números notificados pelas 17 comunidades autónomas do país, que também fazem acertos em relação aos comunicados nos dias anteriores, o que tem levado a discrepâncias nos totais apresentados.

Por isso, se formos comparar os números totais do Ministério da Saúde em cada dia - tal como acontece no caso de Portugal com o boletim epidemiológico da DGS - e fizermos a conta básica de subtração, os números de novos casos não batem certo. Isto porque o total acumulado não reflete apenas os registos das últimas 24 horas, mas também casos "repescados" de outros dias.

Tal como no caso português, os números do fim de semana apresentam sempre discrepâncias, uma vez que a cadência de envio dos dados não é a mesma da registada durante os dias úteis.

"A validação individual dos casos está em curso, pelo que pode haver discrepâncias em relação à notificação agregada dos dias anteriores", avisam os serviços sanitários espanhóis.

Cinco mortes em Castela-Mancha:

óbitos não aparecem na estatística

O El Mundo dá conta disso mesmo: esta segunda-feira é mais um dia em que a diferença entre os números apresentados pelo governo central e as dos executivos autónomos "é impressionante" e aponta a estatística divulgada pela comunidade de Madrid: 11 mortes nas últimas 24 horas. Na comunidade de Castela - La Mancha houve outras cinco.

Na atualização na segunda-feira, o Ministério da Saúde do país estima o número total de pessoas infetadas em 239.638 com 71 novas infeções (em comparação com 96 no dia anterior) nas últimas 24 horas, um número que sobe para 268 se o início dos sintomas nos últimos sete dias for considerado um critério, refere o El Mundo.

Desde domingo, apenas Madrid, Catalunha e Castela e Leão registaram mais de uma dúzia de casos.

Espanha vai prolongar por mais duas semanas, de 7 até 20 de junho, o estado de emergência em vigor desde 15 de março último.

O anúncio foi feito no domingo pelo primeiro-ministro, Pedro Sánchez, que explicou que a necessidade desta última prorrogação seria para garantir por mais alguns dias as medidas de confinamento que estão a ser aplicadas e que preveem limitações à circulação de pessoas no território espanhol.

O Parlamento espanhol deverá aprovar na quarta-feira o sexto prolongamento consecutivo de 14 dias do período de exceção, numa altura em que há muitas críticas a essa medida, principalmente dos partidos da oposição de direita, que já anunciaram que iriam votar contra.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 372 mil mortos e infetou mais de 6,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG