Espanha com quase 20 mil novos casos desde sexta-feira. Já se pedem "medidas drásticas" para Madrid

Espanha notificou 19.382 novos contágios de coronavírus desde sexta-feira, 2.060 dos quais foram diagnosticados nas últimas 24 horas, o que eleva a 405.436 o total de casos no país.

A situação de novos casos de infetados por covid-19 em Espanha continua a causar preocupação entre as autoridades do país. Desde sexta-feira até esta segunda, a Espanha registou quase mais 20 mil novos casos (mais concretamente 19.382) - morreram mais 96 pessoas, o que eleva o total de mortes no país desde o início da pandemia para 28.872.

A maioria dos casos e das mortes continua a registar-se na região de Madrid, onde foram notificados 409 novos casos nas últimas 24 horas e 32 mortes nos últimos sete dias.

Segundo o diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências de Saúde, Fernando Simón, há nesta altura 5.484 pessoas hospitalizadas, 658 das quais em unidades de cuidados intensivos.

Espanha regista nas últimas semanas um aumento de casos de infeção, tendo atingido na quarta-feira passada o número mais elevado de novos casos desde o final de maio (3.715).

Fernando Simón, responsável espanhol pelo Centro de Coordenação de Alertas e Emergêcias Sanitárias, admitiu que a cidade de Madrid deve tomar "medidas drásticas" perante a aceleração de novos casos na cidade.

Com o aumento de novos casos em Espanha e as escolas prestes a abrir portas para o novo ano letivo, as regiões autonómicas começam a tomar medidas. Madrid e Catalunha foram as primeiras.

Quim Torra, presidente da Catalunha, anunciou na manhã desta segunda-feira que ficam proibidos os ajuntamentos de mais de 10 pessoas. E que entre 15 de setembro e 15 de novembro vão fazer meio milhão de testes em escolas.

Em Madrid, o governo de Isabel Díaz Ayuso pede que se evitem as "interações sociais desnecessárias".

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infetou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG