Doou 2,5 milhões a movimento pró-Trump. Agora quer o dinheiro de volta

Empresário da Carolina do Norte queixa-se de "resultados dececionantes" das alegações de que houve fraude eleitoral nas eleições.

Um apoiante de Donald Trump que doou 2,5 milhões de dólares (cerca de dois milhões de euros) para apoiar as alegações de fraude nas eleições presidenciais exige agora que o valor doado lhe seja devolvido, alegando "resultados dececionantes".

A história é contada pelo jornal britânico The Guardian. Fredric Eshelman, um empresário da Carolina do Norte, doou o dinheiro a um grupo pró Trump do Texas, que prometia avançar com processos contra o processo eleitoral em sete estados decisivos para a vitória final de Joe Biden, com o objetivo de "investigar, litigar e expor as ilegalidades" nas eleições. Mas, segundo um processo interposto pelo empresário e noticiado pela Bloomberg, o movimento deixou cair as ações legais e interrompeu a campanha em defesa da transparência do voto, não dando qualquer resposta quando o empresário pediu explicações. E, quando finalmente respondeu, foi com "explicações vagas e promessas vazias".

O movimento publicou, entretanto, uma mensagem no seu site, alegando que interpôs processos em quatro estados em que Joe Biden venceu, mas que o objetivo vai para lá destas eleições e pretende "reparar o sistema" com vista a futuros escrutínios presidenciais.

Segundo Eshelman, o grupo pró-Trump prometeu devolver-lhe um milhão de dólares, na condição de o empresário desistir da queixa, o que este recusou, exigindo a devolução da totalidade do valor doado.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG