Detetadas apenas seis reações alérgicas em um milhão de vacinados nos EUA

Os dados são revelados pelo responsável pela Operação Warp Speed, o programa de desenvolvimento de vacinas dos EUA e dizem respeito à vacina da Pfizer/BioNTech. Sobre a da Moderna, que começou a ser administrada mais tarde, ainda não há dados.

São apenas seis reações alérgicas detetadas em um milhão de pessoas vacinadas nos EUA, segundo os últimos dados oficiais sobre a administração da vacina da Pfizer/BioNTech. Ainda assim, o número é superior aos das outras vacinas. Quem o diz é o responsável pela Operação Warp Speed, o programa de desenvolvimento de vacinas do Governo norte-americano.

"Os últimos dados dão conta de seis reações alérgicas em um milhão de vacinados", afirmou Moncef Slaoui, citado pelo jornal ABC. Sobre a vacina da Moderna, o diretor científico da Operação Warp informou que ainda não tem dados disponíveis, uma vez que começou a ser administrada mais tarde, mas que até ao momento ainda não há choques anafiláticos a reportar​​​​.

Em conferência de imprensa, Slaoui admitiu, porém que há um atraso de vários dias nas atualizações referentes aos dados da administração das vacinas, pelo que nos próximos dias a informação que será disponibilizada irá corresponder a mais vacinados. Perante este cenário, o responsável admitiu que "esta frequência (de reações alérgicas) é maior do que se poderia esperar de outras vacinas".

Meta: imunizar 100 milhões de pessoas até o final do primeiro trimestre de 2021

"Os Estados Unidos alcançaram uma marca preliminar mas crucial hoje [quarta-feira]. As autoridades locais já relataram que mais de um milhão de pessoas receberam a sua primeira dose da vacina contra a covid-19", destacou Robert Redfield, o diretor da principal agência federal de saúde pública dos EUA, após terem sido entregues três milhões de doses na semana passada.

No entanto, segundo Moncef Slaoui, a meta de vacinar 20 milhões de pessoas até ao final do ano "não será provavelmente alcançada", realçou.

Os Estados Unidos têm como meta imunizar 100 milhões de pessoas até o final do primeiro trimestre de 2021, e outros 100 milhões antes do final do segundo trimestre, acrescentou Slaoui.

Já o diretor dos Centros de Controle e de Prevenção de Doenças (CDC, na sigla inglesa), principal agência federal norte-americana em matéria de saúde pública, pediu aos norte-americanos que continuem a cumprir as regras de distanciamento social e uso de máscaras até que todo o país esteja vacinado.

Duas vacinas contra a covid-19, da Pfizer/BioNTech e da Moderna, já foram aprovadas para distribuição pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos, que iniciaram a sua campanha de vacinação em 14 de dezembro.

O Pentágono anunciou na terça-feira o pedido de mais 100 milhões de doses da Pfizer/BioNTech, elevando o total de pedidos para 400 milhões de doses, correspondendo metade às da Pfizer e a outra metade às da Moderna.

Esta encomenda irá permitir imunizar 200 milhões de pessoas nos Estados Unidos, sendo que estas duas vacinas exigem duas injeções, dadas com um mês de intervalo.

Anthony Fauci, uma das figuras altamente respeitada nos EUA na luta contra a pandemia de covid-19, disse hoje que se a operação de vacinação da população correr bem, o país pode atingir um nível de 70 a 80% de imunidade no próximo verão.

Com Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG