Conservadores elegem um ex-militar para tirar Trudeau do poder

Eleito à terceira volta, Erin O'Toole poderá ter já a sua oportunidade para antecipar as eleições a 23 de setembro, quando o Governo liberal, enfraquecido por novo escândalo, enfrentará uma moção de confiança, .

O Partido Conservador do Canadá elegeu no domingo o seu novo líder, Erin O'Toole, um ex-ministro que liderará a oposição a Justin Trudeau, ameaçado por uma eleição antecipada após um novo escândalo no seu Governo.

Depois de uma longa campanha, em grande parte virtual em razão da pandemia de coronavírus, O'Toole, um deputado de 47 anos e ex-ministro de Assuntos dos Veteranos, foi proclamado o vencedor à terceira ronda de votações.

Três outros aspirantes competiam para substituir Andrew Scheer, o líder conservador que não conseguiu derrubar Trudeau nas eleições de 2019: o ex-ministro Peter MacKay, de 54 anos, que aparecia como favorito, e dois advogados pouco conhecidos, incluindo Leslyn Lewis, que aspirava a ser a primeira mulher negra a liderar um partido federal no Canadá.

No seu discurso, o novo líder dos conservadores prometeu unir o partido, dividido após esta longa campanha. Também se comprometeu a destronar Trudeau, cujo Governo liberal está envolvido num novo escândalo sobre a concessão de um contrato governamental a uma instituição de caridade que pagava a membros da sua família.

"Temos de continuar a combater a corrupção e as falhas dos liberais", que têm uma maioria relativa na Câmara dos Comuns, disse O'Toole. "Mas também precisamos de mostrar aos canadianos a nossa visão de um Canadá mais forte, mais próspero e mais unido", acrescentou.

"Mais Canadá, menos Trudeau"

"Precisamos de um líder que ponha os canadianos em primeiro lugar, que defenda o Canadá e os nossos interesses num mundo difícil, no qual perdemos o respeito dos nossos amigos e aliados", declarou. "O mundo precisa de mais Canadá e menos de Justin Trudeau", concluiu.

O anúncio oficial da vitória de O'Toole ocorreu seis horas após o horário programado, depois que uma máquina que contava os votos ter destruído vários milhares de envelopes.

O'Toole, um conservador moderado, fez do emprego e da economia as suas principais prioridades. Também prometeu suspender as restrições às armas de fogo recentemente impostas pelos liberais e limitar ainda mais os investimentos chineses no Canadá.

O novo dirigente conservador não terá muito tempo para se consolidar à frente do partido. Dentro de um mês pode haver uma oportunidade para levar a eleições antecipadas.

Isso acontecerá a 23 de setembro, quando Trudeau deverá procurar o apoio do Parlamento para um novo e maciço pacote de despesa social e ambiental com o qual irá tentar tirar o Canadá do colapso económico.

Depois do debate, haverá um voto de confiança que pode ser fatal para o seu governo minoritário.

No entanto, para derrubar o Governo, os conservadores precisariam do apoio de pelo menos dois outros partidos da oposição. Do total de 338 lugares, o Partido Conservador tem 121, em comparação com 155 para os liberais.

"Mas os conservadores terão de pensar duas vezes antes de decidirem se realmente querem disputar uma eleição neste outono", no contexto da pandemia, da crise económica e de um novo líder cuja mensagem ainda não terá penetrado, comentou à AFP Jonathan Malloy, professor da Universidade de Carleton.

Embora a popularidade de Trudeau tenha diminuído nas últimas semanas após o novo escândalo, os liberais, que destinaram milhares de milhões de dólares para lidar com a pandemia, mantêm uma vantagem de cinco a seis pontos na intenção de voto.

Trocou a farda por fato e gravata

Ex-militar na Força Aérea canadiana, O´Toole alistou-se aos 18 anos, tendo servido em missões de busca e salvamento. Após 12 anos nas Forças Armadas, trocou a farda por fato e gravata e, formado em Direito, exerceu sobretudo em áreas empresariais e na regulação da energia.

Eleito deputado em 2012, natural de Montreal, casado e pai de dois filhos, fez parte dos governos de Stephen Harper, na pasta dos Assuntos dos Veteranos

Candidato à liderança dos conservadores em 2017, ficou em terceiro lugar. Desta vez conseguiu mesmo. Resta saber se conseguirá tirar Trudeau e os liberais do poder.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG