Marcelo e o encontro com Bolsonaro: "Foi uma reunião entre irmãos"

Chefe de Estado português falou ainda de uma possível visita de Bolsonaro a Portugal, até ao início de 2020, mas ressalvou que "o calendário do presidente brasileiro é muito ocupado" e que o de Portugal também

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a sua reunião desta quarta-feira com o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi uma "reunião entre irmãos". "E entre irmãos o que há a dizer diz-se rápido como se diz em família", acrescentou o chefe de Estado português. Marcelo anunciou ainda que o novo Presidente brasileiro poderá visitar Portugal entre o final deste ano e o princípio de 2020.

"A reunião foi muito boa, foi formalmente muito boa, foi substancialmente muito boa", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no final do encontro, realizado no Palácio do Planalto.

O Presidente português salientou o "tom fraternal" do encontro: "Como eu disse, e como disse o Presidente Bolsonaro, era uma reunião entre irmãos, e entre irmãos o que há a dizer diz-se rápido, como se diz em família, e há uma empatia natural entre povos que facilita fazer passar a mensagem".

"Houve um leque de temas bilaterais e multilaterais que foram tratados. E foi tão positivo quanto rápido", acrescentou.

Bolsonaro poderá vir a Portugal ainda este ano ou no início de 2020

Em declarações aos jornalistas, no final de um encontro com o novo Presidente do Brasil, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que ficou de ser acertada a nível dos ministérios dos Negócios Estrangeiros "entre o final de 2019, mas provavelmente princípio de 2020, uma eventual ida do Presidente Bolsonaro a Portugal".

Questionado se neste encontro convidou Jair Bolsonaro para visitar Portugal, o chefe de Estado português começou por referir que "o calendário do Presidente Bolsonaro é muito ocupado" e que "há um calendário muito ocupado em Portugal durante boa parte deste ano", em que haverá três atos eleitorais: europeias, legislativas e eleições na Madeira.

Por isso, adiantou, "ficaram os chanceleres - em terminologia portuguesa, ministros dos Negócios Estrangeiros - de ajustar entre o final de 2019, mas provavelmente princípio de 2020 uma eventual ida do Presidente Bolsonaro a Portugal".

Marcelo Rebelo de Sousa, que chegou na segunda-feira a Brasília para assistir à posse de Jair Bolsonaro, na terça-feira, foi hoje recebido pelo novo Presidente do Brasil pelas 10:55 (12:55 em Lisboa), num encontro que terminou perto das 11:15 (13:15 em Lisboa).

No Palácio do Planalto, o chefe de Estado português esteve acompanhado pela secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, pelo seu chefe da Casa Militar, o tenente-general Vaz Antunes, e pelo embaixador de Portugal em Brasília, Jorge Cabral.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.