Bolsonaro intensifica ataque ao maior jornal do Brasil

Presidente da República chamou Folha de S.Paulo de "panfleto ordinário" que desce "às profundezas do esgoto" e governo convoca boicote de publicidade privada ao jornal. Em causa, notícia de que um delator implicou o chefe de Estado em escândalo de corrupção do seu partido.

Hoje, na conferência de imprensa informal que todas as manhãs, ao sair do Palácio do Alvorada rodeado de apoiantes, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) promove, um repórter questionou-o sobre uma notícia da edição do dia do jornal O Globo a dar conta de casos de tortura protagonizados por uma task force governamental em prisões do Pará. Imediatamente, o presidente do Brasil interrompeu a conversa, virou as costas aos jornalistas, seguiu em direção à viatura oficial mas parou por um instante para dizer, em tom de oração: "Meu Deus, salve, lave a cabeça dessa imprensa fétida que nós temos. Lave a cabeça deles. Que bote coisas boas dentro da cabeça. Que possa perguntar e ajudar com sua matéria para salvar o nosso Brasil. Eles não viam problemas em governos anteriores. Vocês são importantíssimos para salvar o Brasil." Os apoiantes primeiro gritaram "amém" e, depois, iniciaram um coro de "mito, mito, mito", colocando um ponto de final abrupto na tal conferência informal.

O episódio, que se sucede a dezenas de outras conversas nervosas com os jornalistas no mesmo local e à mesma hora nos últimos meses, ganhou dimensão por surgir no dia seguinte ao maior ataque de Bolsonaro à imprensa em geral e ao jornal Folha de S. Paulo, o maior do país, em particular.

Via Twitter, o presidente disse na segunda-feira que o jornal se transformou "num panfleto ordinário" das "causas dos canalhas". "Com mentiras, já habituais, conseguiram descer às profundezas do esgoto (...) o que mais me surpreende são os patrocinadores que anunciam nesse jornaleco", concluiu.

Em causa, uma reportagem da edição de domingo do jornal sobre um depoimento e um registo na posse da polícia federal que sugerem que um escândalo de corrupção no diretório de Minas Gerais do PSL serviu não apenas para desviar dinheiro para as campanhas eleitorais daquele estado, como foi noticiado inicialmente em fevereiro, mas também para abastecer a campanha do presidente no ano passado.

No seu ataque genérico, Bolsonaro não contestou a existência do dito depoimento e do referido registo que, de acordo com a reportagem da Folha, o implicavam.

O caso, revelado em fevereiro pelo mesmo jornal, centra-se sobretudo em Marcelo Álvaro Antônio, presidente do diretório do PSL de Minas Gerais e atual ministro do Turismo, denunciado desde a semana passada pelo Ministério Público por "apropriação indébita eleitoral", "falsidade ideológica" e "associação criminosa". Antônio, que se diz vítima de "difamação", teria desviado dinheiro do fundo eleitoral destinado a três candidatas-fantasma para empresas ligadas a membros do seu gabinete.

No início do escândalo, um dos ministros mais próximos de Bolsonaro e presidente do PSL à data dos factos, Gustavo Bebbiano, acabaria por se demitir.

O chefe da secretaria da comunicação social do Planalto, Fabio Wajngarten, sublinhou através das redes sociais as críticas do presidente: "Que os anunciantes que fazem a media técnica tenham consciência de analisar cada um dos veículos de comunicação para não se associarem a eles preservando suas marcas".

É a Wajngarten que compete a divisão de verbas publicitárias governamentais pelos media, mas não as das empresas privadas.

Antes deste caso, a Folha e a Rede Globo já haviam sido ameaçados de cortes publicitários estatais por Bolsonaro, que retirou entretanto a obrigatoriedade da publicação de balanços de empresas em jornais impressos na tentativa de os asfixiar.

Associações de editores de jornais e de revistas lamentaram "a visão distorcida de Wajngarten". Para Daniel Bramatti, o presidente da associação brasileira de jornalismo de investigação, essa "gravíssima manifestação do funcionário de Bolsonaro (...) típica de quem opta por seguir o roteiro da promoção do autoritarismo em vez do respeito à democracia" inclui-se num "contexto de sistemáticos ataques ao jornalismo vindos do presidente e seus aliados".

Em editorial sob o título "laranjas indigestas" (laranjas é o termo local para candidaturas-fantasma), Folha de S. Paulo reitera o conteúdo das suas reportagens e chama o ataque presidencial de "destemperado". "Cabe à polícia, como está fazendo, prosseguir nas investigações, bem como à imprensa continuar cumprindo o seu papel de informar. Do presidente, do ministro do Turismo e de outras áreas do governo esperam-se apenas esclarecimentos."

Pelo meio, Bolsonaro voltou a atacar os media, nomeadamente o Correio Braziliense, a propósito de uma notícia sobre a função pública: "De novo hoje, capa do Correio Braziliense, dizem que vou acabar com a estabilidade do funcionário público. Não dá para continuar com tanta patifaria por parte de vocês. Isso é covardia e patifaria. Nunca falei nesse assunto, querem jogar os funcionários contra mim. Como Folha de S.Paulo querendo ligar-me ao problema de Minas Gerais. Um esgoto, Folha de S.Paulo. Lamento a imprensa brasileira agir dessa maneira. O tempo todo mentindo, distorcendo, difamando... Vocês querem derrubar-me? Eu tenho couro duro. Vai ser difícil. Continuem mentindo."

E o jornal O Globo, por uma manchete sobre o banco estatal Caixa Económica Federal que pode prejudicar as populações do norte e do nordeste do país: "Lamento terem lançado notícias falsas para me jogarem contra o norte e o nordeste."

No entanto, a segunda destas duas notícias é sobre um assunto que vai ser debatido, de facto, no Congresso Nacional, e a primeira é retirada de uma proposta em circulação no Ministério da Economia do governo que Bolsonaro lidera.

Para Thomas Traumann, autor de um podcast no site da revista Veja, "ao xingar jornalistas e jornais, o presidente mostra que não consegue não só conviver com críticas como nem sequer consegue ler e entender o que está escrito nos jornais". "Todos os presidentes se sentiram injustiçados pela imprensa, mas xingar e ameaçar convocar um boicote de empresas particulares isso é autoritarismo", continuou o jornalista que exerceu função idêntica à de Wajngarten no governo de Dilma Rousseff.

O jornal Folha de S.Paulo foi um dos principais visados por apoiantes dos governos do PT, que, além de o apelidarem de Falha de S. Paulo, criticavam a posição conivente do jornal com o golpe militar de 1964. Por outro lado, o slogan "o povo não é bobo, abaixo a Globo", foi usado por eleitores de Lula da Silva, sobretudo a partir de um debate entre o então candidato e Collor de Mello, em 1989, ter sido editado pela emissora, e é agora repetido por adeptos de Bolsonaro.

Nunca, no entanto, o ataque aos media tradicionais foi tão violento como no atual governo, eleito após uma campanha em que usou propaganda nas redes sociais e nos aplicativos de telemóvel extremamente eficiente para suprir o tempo de antena reduzido na televisão. Pablo Ortellado, doutor de Filosofia da Universidade de São Paulo, escreve no portal UOL, a propósito, que quem interage em sites conotados com a esquerda também interage com os grandes jornais, mas que quem comenta em canais de direita não comenta na imprensa tradicional.

Segundo ele, "Farris e Benkler [autores do influente ensaio Network Propaganda] diziam a respeito dos EUA que a direita está se isolando do establishment, mas como no YouTubebrasileiro os canais de direita são muito maiores do que os demais, quem é que está ficando isolado?"

Exclusivos