As datas-chave de Tiananmen

A crise que levou ao massacre de Tiananmen, há 30 anos, explicada em 18 datas.

1978
Deng Xiaoping toma as rédeas do Partido Comunista da China (PCC) e lança processo de reforma e abertura.

1980
Zhao Ziyang, próximo da linha reformista de Deng, torna-se primeiro-ministro da China.

1982
Hu Yaobang, também do grupo de dirigentes pró-reforma, ascende ao cargo de secretário-geral do PCC

Dezembro de 1986 a janeiro de 1987
Protestos de estudantes têm lugar em várias cidades. Jovens pedem reformas políticas. Manifestações são dissipadas em janeiro de 1987. Hu Yaobang é afastado do cargo de secretário-geral do PCC, por ser visto como brando e ter simpatia pela causa dos estudantes.

15 de janeiro de 1987
Zhao Ziyang substitui Hu Yaobang. Meses depois Li Peng assume o cargo de primeiro-ministro

15 de abril de 1989
Hu Yaobang morre aos 73 anos vítima de ataque cardíaco. Na Praça de Tiananmen juntam-se muitos cidadãos expressando pesar pelo falecimento e criticando o ritmo das reformas.

18 a 21 de abril de 1989
Número de manifestantes sobe para milhares em Pequim. Manifestações espalham-se a outras cidades e universidades do país.

22 de abril de 1989
Dezenas de milhares de estudantes reúnem-se junto ao Grande Palácio do Povo enquanto decorrem as cerimónias fúnebres.

26 de abril de 1989
Diário do Povo (órgão do PCC) publica editorial em que acusa os manifestantes de rejeitarem o partido.

4 de maio de 1989
Movimento transforma-se no maior protesto pró-democracia desde o estabelecimento da República Popular da China, coincidindo com o 70.º aniversário do Movimento 4 de Maio, de cariz anti-imperialista e democrático.

13 de maio de 1989
Centenas de estudantes iniciam uma greve de fome.

15 de maio de 1989
Líder da União Soviética chega a Pequim para a primeira cimeira sino-soviética em 30 anos. As cerimónias de boas-vindas previstas para a Praça de Tiananmen foram canceladas.

18 de maio de 1989
Li Peng encontra-se com líderes do movimento estudantil - entre os quais Wang Dan e Wuer Kaixi - numa reunião transmitida pela televisão.

19 de maio de 1989
Secretário-geral do PCC Zhao Ziyang visita estudantes na Praça de Tiananmen e faz um apelo final ao compromisso. Visto como simpatizante da causa dos estudantes, Zhao afirmou que "tinham chegado demasiado tarde".

20 de maio 1989
Lei marcial é declarada em várias zonas de Pequim. Exército avança para o centro da cidade. Civis bloqueiam os avanços.

24 de maio a 1 de junho de 1989
Manifestações continuam praticamente sem presença de forças de segurança visível.

2 de junho de 1989
Anciãos do PCC aprovam a decisão de pôr um ponto final pela força à "revolta antirrevolucionária".

3 a 4 de junho de 1989
Exército avança pela Avenida da Paz Celestial e pela Praça de Tiananmen abrindo fogo, resultando na morte de centenas ou de alguns milhares de pessoas, dependendo de diferentes estimativas.

* Jornalista da Plataforma Media Macau

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG