Jornalista do 'New York Times' vende artigo 'NFT' por 563 mil dólares

"Estou a rir-me descontrolado", reagiu o próprio no fim do leilão.

O jornalista Kevin Roose, do jornal "New York Times", vendeu esta quinta-feira um de seus artigos no formato digital por 563 mil dólares, no mais recente episódio do furor dos NFTs, ativos digitais cobiçados por colecionadores.

O artigo era dedicado à própria iniciativa do colunista, que pretendia testar o mercado e ampliar o alcance das obras digitais vendidas sob a etiqueta "NFT", ou "non-fungible token", que permite associar um certificado de autenticidade a qualquer item virtual, seja uma imagem, fotografia, animação, vídeo, música ou artigo jornalístico.

O certificado é inviolável e não pode ser duplicado. Foi desenhado com a tecnologia "blockchain", que serve de base para as criptomoedas.

O NFT, que se popularizou nos últimos seis meses, impulsionou o mercado das coleções digitais, antes considerado um nicho. No dia 11, uma obra digital do artista americano Beeple foi vendida por 69,3 milhões de dólares na casa de leilões Christie's.

"Por que razão um jornalista não pode entrar na festa do NFT?", pergunta em entretítulo o artigo de Kevin Roose, intitulado "Compre esta coluna na Blockchain!".

Após 24 horas de leilão, um colecionador que responde pelo nome de Farzin e cujo nome de utilizador é @3FMusic arrebatou o artigo por 350 criptomoedas Ethereum, que valem atualmente 563.000 dólares.

"Estou a olhar para o monitor a rir-me descontrolado", reagiu no Twitter o colunista, especializado em tecnologia, minutos após a venda. Ele informou que o valor arrecadado, descontados os 15% de comissão da plataforma onde ocorreu o leilão, será destinado às organizações de beneficência apoiadas pelo jornal.

Esta semana, o fundador do Twitter Jack Dorsey vendeu como NFT seu primeiro tweet, por 2,9 milhões de dólares.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG