"Praça da Saúde" da U.Porto visa a promoção da saúde e do bem-estar da população

A Universidade do Porto (U.Porto) vai transformar, na sexta-feira, a Reitoria e a praça Gomes Teixeira na "Praça da Saúde", uma iniciativa que visa a "promoção da saúde e do bem-estar da população", contou hoje um dos organizadores.

Em declarações à Lusa, Elísio Costa, um dos organizadores da "Praça da Saúde", disse que a iniciativa, que conta com a participação da Universidade de Coimbra e do Instituto Pedro Nunes, em Coimbra, é "particularmente dirigida a toda a população".

Em frente à Reitoria da U.Porto vai estar uma tenda, onde, entre as 09:30 e as 11:00, vários profissionais de saúde vão fazer rastreios e exames de avaliação ao estado físico, peso, altura, índice de massa corporal e pressão arterial.

"Esta série de parâmetros vai permitir categorizar o estilo de vida e ajudar-nos a dar algum tipo de aconselhamento à população sobre a mudança de hábitos alimentares", afirmou.

A iniciativa vai também dispor, ao longo de todo o dia, de sessões de 'show cooking', aulas de exercício físico e algumas palestras e conversas sobre estimulação cognitiva, alimentação saudável e literacia em saúde.

"Os profissionais de saúde vão discutir alguns temas, mas de forma a que os participantes compreendam aquilo que está em questão, que é a sua saúde", esclareceu.

Segundo Elísio Costa, aumentar a literacia em saúde é um dos motes desta iniciativa, isto porque "é fundamental que as pessoas tenham conhecimentos na área, para que elas próprias possam promover a sua saúde".

"A nível europeu tem sido feito um esforço muito grande na promoção da literacia em saúde, porque a verdade é que não podemos começar a prestar atenção à nossa saúde apenas a partir dos 65 anos, temos de começar cada vez mais cedo", frisou.

Durante a manhã, a U.Porto vai ainda realizar uma sessão dirigida aos profissionais de saúde, onde vai ser apresentado o Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia em Saúde, um órgão da Comissão Europeia que tem como objetivo "promover a capacidade de inovação e empreendedorismo ligado à área da saúde".

De acordo com Elísio Costa, que representa a universidade neste instituto, este é "um grande consórcio que junta universidades europeias, institutos de investigação e empresas na área da saúde".

"A Universidade do Porto representa a região Norte, mas ainda está num processo de entrada neste instituto, que tem como principal objetivo criar um crescimento económico sustentável e permitir que os empresários e os inovadores transformem as suas melhores ideias em produtos e serviços para a Europa", acrescentou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.