Oposição chumba aumento do custo da concessão da recolha do lixo em Vila Verde

A Câmara de Vila Verde chumbou hoje a atualização do valor a pagar à empresa concessionária da recolha do lixo, que solicitou mais 5.340 euros anuais por causa do aumento do salário mínimo.

A atualização foi chumbada com os votos contra dos três vereadores do PS e com a abstenção dos três vereadores da maioria PSD presentes na reunião do executivo.

O presidente da Câmara, António Vilela, não participou na reunião.

Atualmente, a empresa recebe 495 mil euros anuais, mas, devido à subida do salário mínimo nacional, queria passar a receber 500.340.

A empresa sustentou o pedido numa portaria de julho de 2017, que refere que podem ser alvo de atualizações extraordinárias os contratos celebrados antes de 1 de janeiro desse ano relativamente aos quais a componente mão-de-obra indexada ao salário mínimo tenha sido, comprovadamente, o fator determinante na fixação do valor contratual.

Em documento datado de 30 de outubro, a chefe de Divisão de Administração e Finanças da Câmara de Vila Verde declara entender que o requerimento da empresa e o relatório financeiro que apresentou "encontram-se em condições de ser deferidos".

A Câmara de Vila Verde pediu, entretanto, um parecer à Associação Nacional de Municípios Portugueses, que respondeu dizendo que no requerimento da empresa "parece constar a fundamentação económico-financeira para a pretensão requerida".

O assunto foi hoje levado a reunião do executivo, tendo os vereadores do PS votado contra, sublinhando que no contrato de concessão "não se vê, em parte alguma, que o custo da mão-de-obra tenha sido o fator determinante para a fixação do preço contratual".

"E não tendo o custo de mão-de-obra sido, comprovadamente, o fator ou o critério determinante para a fixação do preço contratual, requisito essencial para a aplicação do regime legal de atualização extraordinária do preço do contrato, não cabe este contrato na previsão legal, sendo manifestamente ilegal o aumento do preço aqui requerido e em apreciação", referem os socialistas, em declaração de voto.

Para o PS, o pretendido aumento de preço, "por ilegal, manifesta-se prejudicial aos interesses do concelho, com o inerente aumento da despesa municipal que, de forma direta ou indirecta, se irá refletir nos bolsos dos vilaverdense".

Os três vereadores do PSD presentes na reunião abstiveram-se, por considerarem que "não se apresenta claramente demonstrado" que tenha sido o custo da mão-de-obra o factor determinante para a fixação do valor do contrato.

Por isso, a Câmara vai promover a "audiência prévia" da empresa, para esclarecimento cabal do "peso" da mão-de-obra no contrato.

A recolha dos resíduos sólidos em Vila Verde foi concessionada em 2014, por 10 anos, à empresa Ecorede.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.