Governo reforça ensino de português em França e nos Estados Unidos

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, congratulou-se hoje com o reforço da coordenação do ensino da língua portuguesa em França e nos Estados Unidos, medida que considerou "muito relevante" para as comunidades portuguesas radicadas naqueles países.

"É muito relevante, sobretudo para os portugueses que se encontram em França e nos Estados Unidos da América (EUA), e porque conseguimos cumprir aquilo que era um objetivo há muito tempo acalentado, que era o de reforçarmos a coordenação do ensino da língua portuguesa em França e nos EUA", disse à Lusa o governante, em Sardoal (Santarém), à margem da inauguração de um Gabinete de Apoio ao Emigrante (GAE).

Segundo José Luís Carneiro, a resolução "hoje publicada em Diário da República" resulta de uma "determinação de ontem [quarta-feira] do Instituto Camões", para a "colocação de mais um coordenador de ensino em França e de mais um coordenador nos EUA", medida que vem ao encontro do defendido pela tutela.

"Isto significa que aquela mensagem que transmitimos por altura da discussão do Orçamento do Estado, de que tínhamos para o ano letivo 2018-2019 mais turmas, mais alunos e mais professores, agora adicionamos também mais coordenadores do ensino do português no estrangeiro", frisou.

Em França, a nova adjunta, Isabel Cristina dos Santos Sebastião, irá reforçar a coordenação do Ensino do Português no Estrangeiro (EPE) e fica sedeada em Paris, cuja rede apoia cerca de 15.000 alunos que frequentam os 882 cursos de português, nos níveis básico e secundário, em várias modalidades de ensino, disse à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Segundo a mesma fonte, nos Estados Unidos da América o coordenador adjunto, Duarte Manuel Carvalho Pinheiro, terá na Califórnia a área central da sua ação. A Coordenação de EPE nos EUA apoia, em 2018-19 e ao nível dos ensinos básico e secundário, 18.703 alunos, com 383 professores e 719 cursos ministrados em escolas públicas e comunitárias.

A rede das Coordenações do Ensino de Português no Estrangeiro passa a ser constituída, com estas nomeações, por um total de 20 elementos, 11 dos quais coordenadores e nove adjuntos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.