Exposições "Astray" e "Anuário" abrem programação de 2019 na Galeria Municipal do Porto

A exposição "Astray", da francesa Caroline Mesquita, e a retrospetiva de arte no Porto "Anuário", comissariada por João Ribas e Guilherme Blanc, abrem, a 16 de março, a programação anual da Galeria Municipal, anunciou hoje a autarquia.

O projeto "Anuário" de 2019 é uma "exposição que de certa forma dá uma visão de retrospetiva das atividades culturais do Porto em 2018 no campo das artes performativas e das artes plásticas", explicou à agência Lusa o antigo diretor do Museu de Serralves João Ribas.

"Decidimos ter um 'Anuário' porque achamos que o período de um ano é um período de grande concentração, de grande atividade, e conseguimos pôr em contexto este desenvolvimento cultural nas várias áreas em que o Porto tem uma atividade cultural muito forte e muito marcante e criar uma espécie de visão dessa atividade com um grupo de curadores convidados", explicou João Ribas, que vai também comissariar a representação de Portugal na Bienal de Arte de Veneza deste ano.

Miguel Flor, Joana Machado, Joaquim Durães, José Maia e Rita Castro Neves são os curadores da exposição "Anuário", que vai ser inaugurada no próximo dia 16 de março.

No mesmo dia, é também inaugurada na Galeria Municipal a exposição "Astray", que "combina a escultura e a imagem em movimento", com curadoria de Sofia Lemos e é comissariada pela Kunsthalle Lissabon.

Ao longo de 2019, com um orçamento de 450 mil euros, a Galeria Municipal do Porto vai receber também as exposições "De outros espaços", no âmbito da parceria com a Fundação EDP, e "Desertado. Algo que acontece pode acontecer novamente", de Maria Trabulo, ambas com inauguração agendada para dia 08 de agosto.

A exposição "Millenials -- Design do Novo Milénio", com curadoria de José Bártolo, vai ser inaugurada para 09 de setembro e é uma reflexão sobre a "condição milenar", que se foca nos projetos e processos de trabalho dos 'designers' 'millenials', nascidos nas décadas de 1980 e 1990, e propõe uma reflexão sobre os que os caracteriza e o que os diferencia.

A programação de 2019 na Galeria Municipal do Porto termina com a apresentação do projeto de Uma Certa Falta de Coerência "9kg de oxigénio" e o concurso "Expo'98 no Porto", que atribui duas bolsas para a realização de duas exposições no espaço da galeria entre 2019 e 2020.

Em 2018, a Galeria Municipal do Porto recebeu 115 mil visitantes, mais 25 mil visitantes que 2017.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).