Sete décadas de relações difíceis entre China e Taiwan

Separação deu-se em 1949, quando os nacionalistas de Chiang Kai-Shek se refugiaram na ilha e cortaram laços com os comunistas que tomaram o poder em Pequim

Enquanto a China realiza os seus maiores exercícios militares de todos os tempos ao largo de Taiwan, após a visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taipei, um olhar sobre 70 anos de relações conturbadas.

1949: separação

Os comunistas de Mao Zedong tomaram o poder em Pequim em outubro de 1949 depois de derrotar os nacionalistas do Kuomintang (KMT) de Chiang Kai-shek, numa guerra civil.

O KMT foge para a ilha de Taiwan e forma o seu próprio governo em Taipei em dezembro, cortando contactos com a China continental.

Em 1950, Taiwan torna-se um aliado dos Estados Unidos, que está em guerra com a China comunista na Coreia. Os EUA implantam uma frota no Estreito de Taiwan para proteger o seu aliado de um possível ataque.

1971: Pequim recebe a aprovação da ONU e dos EUA

Em outubro de 1971, Pequim assume a sede da China nas Nações Unidas, anteriormente ocupada por Taipei.
Em 1979, os Estados Unidos cortam laços formais com Taiwan e estabelecem relações diplomáticas com Pequim.

Washington passa a desenvolver uma política de Taiwan com nuances, em que diz "reconhecer" a reivindicação da China sobre a ilha, o que não é o mesmo que aceitar a reivindicação de soberania de Pequim.

Os EUA também mantêm laços comerciais e militares com Taipei. Opõem-se à independência de Taiwan e também a qualquer tentativa da China de tomar a ilha à força.

1987-2004: as relações melhoram

No final de 1987, os residentes de Taiwan são autorizados pela primeira vez a visitar a China continental, permitindo que as famílias se reúnam.

Em 1991, Taiwan suspende o estado de emergência, encerrando unilateralmente um estado de guerra com a China. As primeiras conversas diretas entre os dois lados são realizadas em Singapura dois anos depois.

Mas, em 1995, Pequim suspende as negociações em protesto contra uma visita do presidente taiwanês Lee Teng-hui aos Estados Unidos.

Em 1996, a China testa mísseis ao largo de Taiwan para dissuadir os eleitores na primeira eleição presidencial democrática da ilha.

Nas eleições de 2000, o KMT perde poder em Taiwan pela primeira vez. Nos anos seguintes, as ligações comerciais entre os dois lados melhoram.

2005-2015: ameaças e conversações

Em março de 2005, Pequim adota uma lei que autoriza o uso da força se Taiwan declarar independência. Em abril, o presidente do KMT, Lien Chan, faz uma visita histórica a Pequim para conversar com o líder chinês Hu Jintao.

Em 2008, Taiwan e China retomam negociações de alto nível depois de Ma Ying-jeou, do KMT, ser eleito presidente, encabeçando uma plataforma mais próxima de Pequim.

Em 2010, foi assinado um amplo Acordo-Quadro de Cooperação Económica e, em 2014, realizaram-se as primeiras conversas entre governos desde a separação.

2016: lua de mel terminada

Em janeiro de 2016, Tsai Ing-wen, do tradicionalmente pró-independência Partido Democrático Progressista, vence as eleições presidenciais.

Em junho, a China suspendeu todas as comunicações com Taiwan depois de o novo governo da ilha não reconhecer a política de "Uma China".

Em dezembro de 2016, o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, rompe com décadas de política diplomática dos EUA ao falar diretamente, por telefone, com o líder taiwanês Tsai.

Em janeiro de 2019, Xi Jinping avisou que a unificação da China e Taiwan é "inevitável".

2021: tensões EUA-China

Em 2021, jatos militares chineses fazem centenas de incursões na zona de defesa de Taiwan.

Em outubro, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os Estados Unidos defenderão Taiwan se a China atacar a ilha, em comentários mais tarde "reajustados" parcialmente pela Casa Branca.

Tsai confirma que um pequeno número de tropas dos EUA está presente em Taiwan para ajudar a treinar as suas forças.

2022: visita de Pelosi provoca fúria

A 2 de agosto último, após dias de especulação e advertências severas de Pequim sobre "consequências" não especificadas, a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, desembarca em Taiwan durante uma visita pela Ásia.

A mais alta autoridade dos EUA a visitar a ilha em 25 anos diz que a sua visita demonstra o "compromisso inabalável de seu país em apoiar a vibrante democracia de Taiwan".

Furiosa, a China prometeu "punição" e lançou os seus maiores exercícios militares de todos os tempos na área, cercando Taiwan em 4 de agosto.

Os exercícios incluem a implantação de caças e navios de guerra e o disparo de mísseis balísticos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG