Rússia e EUA negoceiam trocar "Mercenário da Morte" por basquetebolista

Os EUA e a Rússia estão a discutir uma troca de prisioneiros que envolveria um notório traficante de armas russo e uma estrela do basquetebol feminino norte-americano, disse um diplomata russo

É a primeira vez que a Rússia assume que as negociações em curso dizem respeito à troca de Viktor Bout, conhecido como o "Mercenário da Morte", pela bicampeã olímpica Brittney Griner.

"As discussões sobre o tema muito sensível de uma troca de prisioneiros estão a ocorrer através dos canais escolhidos pelos presidentes", disse Alexander Datchiev, chefe do departamento da América do Norte no Ministério das Relações Exteriores da Rússia, segundo a agência de notícias estatal TASS.

"A diplomacia silenciosa continua e deve dar frutos se Washington, é claro, tomar cuidado para não cair na propaganda", disse ele.

Griner foi presa num aeroporto de Moscovo em fevereiro por possuir cartuchos de vaporizador com uma pequena quantidade de óleo de cannabis.

A jogadora de 31 anos, que estava na Rússia para jogar pela equipa profissional de Yekaterinburg, foi acusada de contrabando de narcóticos e condenada a nove anos numa colónia penal, no início de agosto.

Já Bout foi preso na Tailândia em 2008 e depois extraditado para os Estados Unidos, onde em 2012 foi condenado a 25 anos de prisão sob a acusação de armar rebeldes em alguns dos conflitos mais sangrentos do mundo.

Ele inspirou o filme de contrabando de armas de 2005 "Lord of War", protagonizado por Nicolas Cage e foi apelidado de "Mercenário da Morte" pelo ex-ministro britânico Peter Hain por fornecer armas para Angola e Libéria, devastadas pela guerra.

A Rússia há muito tenta a sua libertação.

No fim de semana passado, Bill Richardson, ex-embaixador dos EUA na ONU que negociou a libertação de vários americanos detidos em outros países, disse estar "otimista" sobre os esforços para negociar uma troca de prisioneiros com a Rússia.

"Acho que ela [Griner] será libertada, acho que ela tem a estratégia certa de contrição, haverá uma troca de prisioneiros - embora eu ache que será dois por dois, envolvendo Paul Whelan", disse à "This Week.

Whelan é um ex-fuzileiro naval dos EUA que foi condenado por espionagem em junho de 2020 e sentenciado a 16 anos de prisão..

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG