NATO teme que "dias vindouros sejam piores" e Rússia avance para outros países

"Esta é a pior agressão militar da Europa em décadas, com cerco a cidades e a escolas, hospitais e edifícios residenciais e ações imprudentes de bombardeamento em torno de uma central nuclear", disse o secretário-geral da NATO

O secretário-geral da NATO disse esta sexta-feira temer que "os dias vindouros sejam piores" na Ucrânia, devido à guerra causada pela invasão russa, e que a Rússia avance para outros países da Aliança, como a Geórgia ou a Bósnia-Herzegovina.

"É provável que os dias vindouros sejam piores, com mais mortes, mais sofrimento e mais destruição, à medida que as Forças Armadas russas trazem armamento mais pesado e continuam os seus ataques por todo o país", disse Jens Stoltenberg.

O responsável falava em conferência de imprensa na sede da NATO, em Bruxelas, após uma reunião extraordinária do Conselho do Atlântico Norte, o principal organismo de decisão política da organização e no qual cada país membro tem assento ao nível dos chefes de diplomacia.

"Esta é a pior agressão militar da Europa em décadas, com cerco a cidades e a escolas, hospitais e edifícios residenciais e ações imprudentes de bombardeamento em torno de uma central nuclear ontem [quinta-feira] à noite e muitos civis mortos ou feridos", assinalou.

"A ambição do Kremlin [Presidência russa] é recriar uma esfera de influência e negar a outros países o direito de escolherem o seu próprio caminho e, por isso, os ministros [da NATO] discutiram a necessidade de apoiar os parceiros que possam estar em risco, incluindo a Geórgia e a Bósnia-Herzegovina", referiu Jens Stoltenberg.

De acordo com o secretário-geral da Aliança Atlântica, "a agressão da Rússia criou um novo normal para a segurança".

A reunião de hoje do Conselho do Atlântico Norte, presencial e presidida pelo secretário-geral, Jens Stoltenberg, foi alargada aos chefes de diplomacia da Suécia, Finlândia e União Europeia.

À tarde, Jens Stoltenberg participa naquele que é o quinto Conselho extraordinário de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE no espaço de pouco mais de uma semana, em formato alargado.

Ataque russo a central ucraniana revela perigo potencial de desastre nuclear

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, considerou que o ataque russo desta madrugada contra a central ucraniana de Zaporizhzhia revela "quão perigosa é esta guerra" na Ucrânia, demonstrando ainda o "perigo potencial de um desastre nuclear".

"O ataque realça o quão perigosa é esta guerra", comentou Jens Stoltenberg, falando em conferência de imprensa na sede da NATO, em Bruxelas, após uma reunião extraordinária do Conselho do Atlântico Norte, o principal organismo de decisão política da organização e no qual cada país-membro tem assento ao nível dos chefes de diplomacia.

"Exortamos o Presidente Putin a parar imediatamente esta guerra, a retirar todas as suas forças da Ucrânia e a empenhar-se em verdadeiros esforços diplomáticos de boa-fé. Agora", vincou o líder da Aliança Atlântica.

Jens Stoltenberg apontou que o ataque desta madrugada demonstra também "o perigo potencial de um desastre nuclear relacionado com esta guerra".

Ainda assim, segundo observou o secretário-geral, "o que estamos a ver é que o Presidente Putin subestimou totalmente a força das forças armadas ucranianas e eles conseguiram recuar para lutar e abrandar os avanços russos".

E garantiu: "Não fazemos parte deste conflito, mas temos a responsabilidade de assegurar que este não se agrave e se espalhe para além da Ucrânia, porque isso seria ainda mais devastador e mais perigoso, com ainda mais sofrimento humano".

"A NATO não procura uma guerra com a Rússia", concluiu Jens Stoltenberg.

As tropas russas tomaram a central nuclear ucraniana de Zaporizhzhia, a maior da Europa, informou hoje o regulador nuclear estatal da Ucrânia, acrescentando que a equipa da central controla o estado dos edifícios e garante seu correto funcionamento.

As forças russas bombardearam na noite de quinta-feira para esta sexta-feira a maior central nuclear da Europa, no sul da Ucrânia, onde deflagrou um incêndio, que, entretanto, foi extinto pelos bombeiros.

O regulador nuclear estatal da Ucrânia garantiu que os seis reatores de Zaporizhzhia não foram afetados e que o incêndio atingiu apenas um edifício e um laboratório do local.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG