EUA retiram milhões de doses da vacina Johnson & Johnson de circulação

A FDA não detalhou os números em concreto, embora a imprensa norte-americana assinale que um total de 60 milhões de doses deverão ser descartadas, segundo o The New York Times.

A agência norte-americana do medicamento (FDA, em inglês) mandou descartar milhões de vacinas Johnson & Johnson contra a covid-19 após problemas detetados na fábrica em Baltimore, divulgaram esta sexta-feira vários órgãos de comunicação social.

Apesar da decisão, dois lotes daquela fábrica foram autorizados a serem utilizados.

No comunicado divulgado sexta-feira, a FDA não detalhou os números em concreto, embora a imprensa norte-americana assinale que um total de 60 milhões de doses deverão ser descartadas, segundo o The New York Times.

Terão sido salvas 10 milhões de doses e autorizadas a serem utilizadas.

A Johnson & Johnson confirmou, em comunicado, a autorização da entidade reguladora para a utilização de dois lotes da vacina produzida naquela fábrica, noticia a agência EFE.

No entanto, não forneceu números sobre quantas doses terão de ser destruídas.

"A decisão de hoje representa um progresso nos nossos esforços contínuos para fazer a diferença nesta pandemia a uma escala global e agradecemos a estreita colaboração com a FDA e as autoridades de saúde globais", salientou o responsável pelo distribuição daquela empresa, Kathy Wengel.

No comunicado, a FDA realça ainda que neste momento não é possível autorizar a produção na fábrica Emergent Biosolutions, em Baltimore, apesar dos trabalhos com a empresa e a farmacêutica nesse sentido.

Em abril, a Johnson & Johnson assumiu a supervisão daquela fábrica da fabricante Emergent BioSolutions, onde cerca de 15 milhões de doses, segundo dados divulgados pelo The New York Times, da vacina desenvolvida pela farmacêutica norte-americana contra a covid-19, foram danificadas durante a sua produção .

Os dois lotes autorizados para utilização foram distribuídos para uso de emergência nos Estados Unidos ou em países para onde o país exporta.

Estas vacinas têm também uma vida útil mais longa, depois do FDA ter confirmado hoje, após a Johnson & Johnson ter anunciado quinta-feira, o prolongamento por mais seis semanas do prazo de validade da vacina.

A pandemia de provocou, pelo menos, 3.775.362 mortos no mundo, resultantes de mais de 174,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG