Premium "Não sou capaz de imaginar quem eu seria se não existisse a União Europeia"

Mafalda vive em Londres com um francês, Jorge vive em Bruxelas com uma espanhola, Daniel vive em Lisboa com o polaco Bartek, que conheceu em Berlim. Estudaram através de programas europeus, circularam pelas fronteiras abertas e apaixonaram-se por nacionais de outros países da UE. Europeus como nós, sabem exatamente, ao contrário da maioria, o que isso quer dizer - e o quão importante é para eles.

Andei a distribuir panfletos na rua a favor do Remain. As pessoas perguntavam-me porque é que eu andava naquela campanha, e respondia: "Sou um produto da Europa." A minha avó era analfabeta, os meus pais foram os primeiros da família a estudar e eu beneficiei de programas europeus. Não faço parte de uma elite, sou da classe média. Tenho a vida que tenho porque a Europa e Portugal me apoiaram."

Nascida em Santarém há 34 anos, mais um dos que Portugal tem de comunidade europeia, Mafalda Dâmaso circula nas fronteiras abertas da UE há mais de metade da sua vida adulta: fez Erasmus em Viena de Áustria, onde aprendeu alemão, mestrado na Bélgica, em Bruxelas, esteve na Holanda, e agora, vivendo há nove anos em Londres, onde fez o doutoramento e deu aulas em universidades inglesas, trabalha para uma empresa alemã e um think tank de Bruxelas e dá aulas numa universidade francesa. E está numa relação com um francês que conheceu na capital britânica quando os dois estavam lá a estudar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.