Premium

crianças

Até quando deve acreditar-se no Pai Natal?

Povoa o imaginário de miúdos e as recordações de graúdos. O Pai Natal aparece uma vez por ano e contribui para o desenvolvimento das crianças, dizem os especialistas. "Ainda acredito e tenho 63 anos", afirma o pediatra Mário Cordeiro. Mas atenção: há que fugir do consumismo.

"Ele entra pela porta da minha casinha e dá-me presentes. Já escrevi a carta. Pedi seis ou sete coisas. Não fico chateada se ele não me der tudo o que pedi porque fico sempre contente que venha à minha casa. Eu abraço-o muito. É o que eu mais gosto, abraçá-lo. O Pai Natal é bom." O relato é de Noa Pradas e ela sabe bem o que diz. Tem 5 anos e um entusiasmo na voz que não deixa dúvidas. Aquele "barrigudo" de "barba branca", como diz, é mesmo o máximo.

E a magia que esta menina vive, sente e partilha com o DN contagia também os graúdos que guardam na memória momentos de natais passados. "Todos os anos a minha mãe dizia-nos, a mim e aos meus irmãos: 'Esperem um bocadinho que vou mexer o arroz.' Até que num belo ano combinámos seguir a minha mãe até à cozinha e foi quando descobrimos o que não queríamos descobrir. Era ela quem punha as prendas ao pé da chaminé da cozinha", conta Isabel Branco, de 51 anos.

Ler mais

Exclusivos