A subestimada dona dos Lakers que foi capa da 'Playboy'

Jeanie Buss é a primeira mulher a vencer a NBA. Herdou do pai a franquia da equipa de Los Angeles e passou pelo inferno antes de chegar ao céu. Venceu guerra fraticida e apostou em LeBron James para chegar ao título.

A história de Jeanie Buss é, no mínimo, desafiadora da moral e bons costumes americanos. Para uns ela não passa de uma milionária mimada que posou para a Playboy, para outros ela é a mulher mais poderosa do mundo do desporto e a primeira a ganhar o título da NBA - em 1978, Irene Pollin também viu os seus Washington Bullets serem campeões mas era apenas coproprietária da equipa, ao contrário de Jeanie, que não só é a dona dos Lakers como é também a presidente da administração.

Foi no reinado do pai, Jerry Buss, que os Lakers brilharam mais do que em qualquer outra altura e conseguiram dez dos atuais 17 títulos da NBA. Em 2013, a morte do Dr. Buss, o "melhor dono da história", segundo Kobe Bryant (também ele já falecido num trágico acidente de helicóptero), abriu uma guerra no seio da família Buss, dona de 66% do Lakers. Jerry deixou instruções para que os (seis) filhos administrassem a franquia. A escolha recaiu em Jeanie, a filha mais próxima, a quem o pai entregou a administração do extinto clube de ténis Los Angeles Strings aos 19 anos para ir treinando...

Quando a maior parte das pessoas esperavam que Jeanie colocasse os Lakers no mercado ou que encontrasse alguém para liderar uma das franquias mais bem-sucedidas do basquetebol mundial, ela decidiu ficar à frente da equipa. Mesmo sabendo que se estava a meter num mundo de homens e que a sessão fotográfica feita em 1995, quando posou para a Playboy, ainda lhe valia críticas. "Já se passaram mais de duas décadas e eu continuo a ter de explicar isso, continuam a julgar-me", desabafou Buss, numa entrevista recente, lembrando a resposta memorável do pai quando lhe deu a notícia: "Esse será o primeiro número da Playboy que não vou ler ."



Seguiram-se anos muito sombrios. Em campo a equipa sofreu como nunca e virou chacota dos adversários. Na administração, os irmãos Buss também não se entendiam entre eles e com os restantes acionistas. Jeanie decidiu demitir o então diretor-geral Mitch Kupchak (atualmente nos Charlotte) e o seu irmão Jim, a quem muitos viam como sucessor do pai. O outro irmão não gostou de disse-o publicamente revelando que o pai devia "estar a mudar de túmulo de tantas voltas dar".

Depois de cortar os laços familiares na administração e de travar mais uma batalha jurídica, em 2017 viu a NBA mostrar-lhe publicamente o apoio como proprietária e ela seguiu o seu rumo, apoiada por um dos maiores da história do basquetebol e dos Lakers. "Enviei-lhe uma mensagem e disse-lhe que, às vezes, a mãe dos dragões tem de aceitar o facto de que ela é a mãe dos dragões. E ela colocou-se em modo Khaleesi", confessou mais tarde Kobe Bryant, numa referência à série Guerra dos Tronos.

Contratar Magic foi um desastre. LeBron a aposta certa

A primeira medida a solo da ex-mulher de Phill Jackson, depois de vencer a guerra fratricida, foi contratar o seu grande amigo Magic Johnson. Afinal quem questionaria a contratação de um dos maiores da história da modalidade (e dos Lakers em particular) para diretor de operações? Rapidamente circularam notícias de uma relação íntima entre os dois. Mas também se soube que foi graças a ela que Magic ficou nos Lakers em 1979. Depois de ser a primeira escolha do draft, o jogador conheceu a filha do patrão e ficaram logo amigos. Pouco depois disse-lhe que ia mudar para Detroit, levando-a a falar com o pai e a travar a troca.

Contudo, a aposta em Magic não funcionou e em abril de 2019 os Lakers estava novamente em apuros. Falharam o playoff pelo sexto ano consecutivo e obrigaram Jeanie a um movimento arrojado. Ela sabia que LeBron James queria outros voos após conduzir os Cleveland Cavaliers ao título e aproveitou-se disso e do facto de ele estar a ano e meio de ser um jogador livre. Convidou-o para jantar e LeBron aceitou, mas as agendas preenchidas foram adiando o encontro. Só nove meses depois conseguiram sentar-se à mesma mesa. O acordo foi fácil e ele prometeu-lhe devolver a glória aos Lakers outra vez. Conseguiu-o um ano depois, com a preciosa colaboração de Anthony Davis.

Os Los Angeles Lakers, fundados em 1947, conquistaram o 17.º campeonato da NBA no domingo, após a vitória no jogo seis sobre os Miami Heat. No final, Jeanie não foi esquecida."Ela é uma dona incrível, uma mulher poderosa. Ela está confiante de que pode ser uma extensão de seu pai e continuar o legado desta grande franquia. Estou feliz por fazer parte disso", elogiou LeBron, que fez questão de a abraçar nos festejos. Prolongar a estadia de LeBron (MVP da NBA aos 35 anos) e do pivô são agora os dossiês prioritários em cima da mesa de Jeani Buss.

Voz política e exemplo a seguir por mais três mulheres na NBA

Formada em Gestão com distinção pela Universidade do Sul da Califórnia, Jeanie Buss cresceu a ver como o pai trabalhava e foi aprendendo alguma coisa por entre corredores e hotéis, reuniões e jogos. Começou por mostrar capacidades no extinto clube de ténis Los Angeles Strings com apenas 19 anos. Fez ainda parte do World TeamTennis e comprou os Los Angeles Blades, que jogou no Roller Hockey International de 1993-1997. Hoje, aos 59 anos, gere um património de 540 milhões de dólares (quase 442 milhões de euros) e figura na lista da Forbes das mulheres mais importantes do desporto.

Diz-se bem resolvida com a vida e que nunca leva desaforos para casa. Antes da final do campeonato posicionou-se a favor dos protestos antirracistas que surgiram após o assassínio de George Floyd e recebeu uma carta com uma mensagem assustadora: "Cara p... espero que te juntes a Kobe Bryant no inferno." Ela denunciou-o publicamente nas redes sociais, como já fez com outras manifestações racistas, machistas e sexistas. Mesmo depois de vencer a NBA, continua a enfrentar a desconfiança alheia. Os comentários ao seu aspeto físico e ao suposto envolvimento com atletas da equipa superam mediaticamente qualquer feito profissional.

Jeanie pode ser a mais poderosa e triunfante mas não é a única mulher a comandar franquias do maior campeonato de basquetebol do mundo. Há mais três mulheres na NBA que podem vir a levantar o troféu. São elas: Gayle Benson, dona dos New Orleans Pelicans desde que o marido morreu em 2018; Gail Miller, que comanda os Utah Jazz desde 2009, após a morte do marido, e Jody Allen, que manda nos Portland Trail Blazer, após a morte do irmão, em 2018.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG