Premium Regulador propôs que EDP pagasse ao Estado 176 milhões, em vez de receber

No dia em que Manuel Pinho é ouvido no Parlamento e no DCIAP, revelamos que o último estudo da ERSE, que calcula o valor dos CMEC, apresentava dois cenários: o que está em vigor e um em que seria a empresa a pagar ao Estado pelos contratos energéticos

Quando Manuel Pinho entrar, na tarde de hoje, na comissão parlamentar de Economia, vindo de uma audição no Ministério Público, já terá memorizado uma resposta padrão a dar aos deputados. A dúvida é simples: terá o governo, de que era ministro da Economia, criado legislação favorável para a empresa EDP?

Pinho dirá, seguramente, que não. Mas a própria Entidade Reguladora do Setor Energético (ERSE) prova, no seu último documento oficial sobre o assunto, que "a introdução do regime dos CMEC possibilitou a passagem para um quadro menos exigente para os detentores dos centros eletroprodutores do que o regime dos CAE, com um acréscimo de custo acumulado que se estima em cerca de 510 milhões de euros".

Os referidos CMEC (Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual), as chamadas rendas, são a forma de compensar a EDP pelo fim dos contratos de aquisição de energia (CAE). Esta foi uma forma - definida em 2004 sob o governo Durão Barroso e aplicada em 2007 pelo governo Sócrates - de garantir à EDP uma receita previsível para a eletricidade produzida em cerca de 30 centrais, após a liberalização do mercado ibérico. Mas as siglas todas resultaram numa palavra, "rendas", a que se juntou um adjetivo, "excessivas".

E foi 10 anos depois das decisões de Pinho que o atual governo delegou na ERSE um estudo sobre os impactos passados destas "rendas" e um cálculo dos pagamentos a fazer até 2027. O regulador concluiu o trabalho em setembro do ano passado. E, em abril, o governo adotou o valor proposto pela ERSE: 154,1 milhões de euros, a pagar nas tarifas a favor da EDP até 2027, uma redução significativa do valor que a empresa esperava receber (256 milhões).

Mas este era apenas um dos cenários propostos pelo regulador. O outro era ainda mais drástico. "A consideração do cenário alternativo ao cenário base comporta uma diferença no ajustamento final de 176 milhões de euros (...) a restituir ao SEN [Sistema Elétrico Nacional])." Ou seja, a EDP deveria pagar 176 milhões de euros.

Este "cenário alternativo" proposto pela ERSE "corresponde ao apuramento do ajustamento final com o regime hidrológico médio longo, semelhante ao que foi utilizado no apuramento do cálculo inicial dos CMEC, que é aproximado pela média dos regimes entre 2009 e 2016". Mas para vigorar seria necessária uma alteração legislativa ao Decreto-Lei dos CMEC.

O governo optou pelo "cenário base", que "corresponde ao apuramento do ajustamento final com o regime hidrológico médio dos 10 anos anteriores ao cálculo do ajustamento final, conforme é previsto na redação do Decreto-Lei nº 240/2004, de 27 de dezembro".

Mudar a lei?

Ambos os cenários partem de uma revisão crítica dos critérios de cálculo usados a partir de 2007 e que levaram a um "acréscimo de custo" de mais de 500 milhões de euros a favor da EDP face ao regime anterior (dos Contratos de Aquisição de Energia, CAE). Mas no cenário "alternativo", os valores a devolver pela EDP seriam ainda maiores e a compensação mais modesta.

Neste quadro, que pode ler aqui, são bem claras as críticas do regulador ao impacto dos CMEC.

"Face às análises efetuadas, as principais recomendações da ERSE para o cálculo do ajustamento anual dos CMEC implicam a ponderação da viabilidade da introdução de alterações no plano legal", avançou a ERSE. Em especial "uma taxa de atualização dos cash flows entre 2017 e 2027 semelhante à taxa de juro para o cálculo da anuidade correspondente ao valor do ajustamento final dos CMEC, de modo a garantir a neutralidade financeira". E ainda "correções nos procedimentos associados aos CMEC, que resultem numa convergência das simulações face à realidade".

Nas 99 páginas complexas deste estudo, algumas linhas escritas pelo regulador chamam a atenção pela gravidade do que relatam. Por exemplo, quando são pedidas ao governo alterações legislativas que garantam "condições economicamente mais racionais" a estes contratos com a EDP. Ou ainda a propósito da extensão do prazo de concessão das barragens da EDP contra um pagamento de 759 milhões de euros, calculado com princípios de cálculo financeiro similares aos usados nos CMEC "com os quais a ERSE discorda".

Contactada pelo Diário de Notícias, a ERSE explicou que o cenário alternativo implicaria uma mudança na lei - que teria de ser decidida pelo governo. Essa é a única razão para que tenha sido avançado o valor do cenário "base". Mas como a ERSE escreveu no seu comunicado, se o governo decidir mudar a lei, ainda "poderá reduzir o valor apurado".

Pela sua parte, o governo criou um grupo de trabalho com a ERSE e a Direção-Geral da Energia para recalcular o valor dos CMEC decidido por Manuel Pinho. Qualquer que seja a decisão final, ela só será tomada depois de concluídas as investigações a este mecanismo de compensação à EDP levadas a cabo pelo Ministério Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.

Premium

João Taborda da Gama

Nunca é só isso

Estou meses sem ir a Coimbra e numa semana fui duas vezes a Coimbra. Até parece uma anedota que havia, muito ordinária, que acabava numa carruagem de comboio com um senhor a dizer vamos todos para Coimbra, vamos todos para Coimbra, mas também não me lembro bem e não é o melhor sítio para a contar mesmo que me lembrasse. Dizia que fui duas vezes a Coimbra numa semana, e das duas encontrei pessoas conhecidas de que não estava à espera, no comboio, no café, na rua. Duas coisas que acontecem cada vez menos, as pessoas contarem anedotas umas às outras, muito menos ordinárias, que não se pode, e encontrarem-se por acaso, que não acontece. E não se encontram por acaso, porque mais dificilmente se desencontram. Para encontrar é preciso desencontrar, e quando o contacto é constante, quando a aparência de acompanhamento da vida do outro rodeia tudo o que fazemos, é difícil sentir o desencontro.

Premium

Ruy Castro

Uma multidão de corruptos injusta e pessoalmente perseguidos

Nenhum agente público no Brasil, nem mesmo o presidente da República, pode ganhar acima de 33 mil reais por mês. Isso equivale a pouco mais de oito mil euros - o que, para as responsabilidades de certas funções, pode ser considerado um salário modesto. Mas você ficaria surpreso ao ver como, no Brasil, esse valor ganha uma extraordinária elasticidade e consegue adquirir coisas que, em outros países, custariam muito mais dinheiro. Com ele, nossos políticos compram, por exemplo, redes inteiras de estações de rádio e televisão, prédios de 20 ou mais andares em regiões de proteção ambiental e edificação proibida e extensões de terra maiores do que a área de certos países europeus. É um fenómeno. Mais surpreendente ainda foi o que descobrimos esta semana. O governador do estado do Rio - cuja capital é a infeliz cidade do Rio de Janeiro -, Luiz Fernando Pezão, fez apenas 11 saques em suas contas bancárias de 2007 a 2014. Alguns desses saques eram no valor de três euros, o que lhe permitiria comprar no máximo um saco de pipocas, e nenhum acima de oitocentos euros. Por mais que Pezão pareça um sujeito humilde e desapegado, como se pode viver com tão pouco? Talvez tivesse dinheiro em espécie acumulado em algum lugar - quem sabe um cofre em sua casa ou mesmo o seu próprio colchão -, do qual fosse retirando apenas o suficiente para seus alfinetes. Não por acaso, a Polícia Federal prendeu-o na semana passada, acusando-o de ter recebido o equivalente a dez milhões de euros de propina, naquele período em que ele era vice-governador do então titular Sérgio Cabral - que, por sua vez, está condenado por enquanto a 197 anos de prisão por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Cabral é acusado também de ter cerca de 85 milhões de euros em depósitos fora do Brasil. Onde estarão os milhões de Pezão? E Michel Temer, dentro de 20 dias a contar de hoje, deixará de ser presidente do Brasil. No dia 1 de janeiro, uma terça-feira, passará a faixa presidencial a seu sucessor e perderá a imunidade que o impede de ser condenado por atividades ilícitas anteriores ao seu mandato. É quase certo que, já no dia seguinte, agentes da Polícia Federal baterão à sua porta em São Paulo, para levá-lo a explicar-se sobre as atividades ilícitas praticadas antes e durante o mandato. Explicações que ele terá dificuldade para dar, já que os investigadores parecem ter provas robustas de suas trampolinagens. E não se pense que tudo nessa turma se refere a milhões - uma inocente obra de reparos na casa de uma filha de Temer em São Paulo, "oferecida" por um empresário, indica um gesto de gratidão desse empresário por certa obra de vulto em que Temer, como presidente, o favoreceu. Nem toda a corrupção tem o dinheiro como fim. Ele pode ser também um meio - para se chegar ao mesmo fim. No caso do Brasil, foi o que prevaleceu nos últimos 15 anos: o desvio de dinheiro público para a manutenção do poder político, eternizando o desvio de dinheiro público. É uma equação diabólica, principalmente se maquiada de uma tintura ideológica - práticas de direita com um discurso de esquerda. E não se pense também que isso envolveu apenas os políticos. A Operação Lava-Jato, que está botando para fora os podres do país, condenou até agora 65 pessoas à prisão, das quais somente 13 políticos, num total de quase duzentas em fase de investigação ou já denunciadas. Entre estas, contam-se doleiros, operadores de câmbio, publicitários, lobistas, pecuaristas, irmãos, cunhados, ex-mulheres e "amigos" de políticos e carregadores de malas de dinheiro, além de funcionários, gerentes de serviço, executivos, tesoureiros, diretores, sócios-proprietários e presidentes de grandes empresas. Entre os presos ou investigados, estão também um ex-presidente da Câmara dos Deputados, um ex-presidente do Senado, vários ex-ministros de Estado (dos quais três ex-ministros da Fazenda), três ex-tesoureiros do Partido dos Trabalhadores, meia dúzia de altos funcionários da Petrobras, o ex-presidente do banco de desenvolvimento nacional, seis ex-governadores estaduais, os presidentes das quatro maiores empresas de construção civil do Brasil e quatro ex-presidentes da República. Um deles, Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, quando lhe falarem que o querido Lula está sofrendo uma perseguição pessoal e injusta, pense nos citados acima, tão injusta e pessoalmente perseguidos quanto ele.

Premium

Marisa Matias

O Christian, a Rosa e a rua

Quero falar-vos do Christian Georgescu, uma daquelas pessoas que a vida nos dá o privilégio de conhecer. Falo-vos com nome e apelido porque a história dele é pública. Nasceu em Bucareste, na Roménia, tem 40 anos e encontrou casa no Porto. Trabalhou desde cedo até que um dia lhe faltou comida na mesa. A crise no início dos anos 2000 e a necessidade de dar de comer à filha fizeram que decidisse entrar num mundo paralelo. A juntar a isso, começou a consumir drogas e foi preso. Quando saiu percebeu que tinha de ir para longe para mudar e veio para o Porto.